A emancipação da fotografia: A escola de Düsseldorf e a arquitetura industrial

A emancipação da fotografia: A escola de Düsseldorf e a arquitetura industrial

Professor: Martin Ogolter
05 de setembro a 28 de novembro
Terça-feira, 18:00–21:00
R$ 380,00/mês

 
Público-alvo
Interessados em fotografia contemporânea, fotógrafos amadores ou profissionais, jovens artistas e publicitários.

Objetivos
Cerca sessenta anos atrás, o casal Bernd e Hilla Becher iniciou um projeto não convencional, fotografando sistematicamente estruturas industriais em via de desaparecimento. Organizadas em “tipologias” e com uma “grade” minimalista, sob uma perspectiva sempre objetiva, essas composições foram abraçadas pela arte conceitual​. ​Em 1976, Bernd Becher foi nomeado primeiro professor de Fotografia da Academia de Artes de Düsseldorf. Hoje, a maioria dos alunos da sua primeira classe são reconhecidos internacionalmente por suas fotografias coloridas e impressas em escala gigante: Candida Höfer, Thomas Struth, Thomas Ruff, Axel Hütte e​ ​Andreas Gursky. Mais tarde, Thomas Demand, que estudou apenas brevemente em Düsseldorf, acrescentou outra camada de inovação usando sets feitos inteiramente em papel. Com esses autores, a fotografia, antes reconhecida apenas como “documento”, ganhou estatuto de obra, semelhante à pintura, por exemplo.

O objetivo do curso teórico-prático é oferecer uma compreensão da obra e metodologia dos artistas dessa tendência estética que se formou em torno da Escola de Düsseldorf.

Conteúdo
– Breve história da “Neue Sachlichkeit” (Nova Objetividade), especificamente o trabalho de August Sander.
– Os métodos de produção dos Bechers e outros artistas trabalhando na época, tais como Ed Ruscha.
– Discussão dos obras de Andreas Gursky, Thomas Ruff, Candida Höfer, Beate Gütschow, e outros.

Dinâmica
Os participantes irão desenvolver um projeto com característica serial, mediante regras pré-determinadas. Acompanhamento das ideias e métodos. Discussão dos projetos em análises semanais.

Bibliografia
August Sander, 1876- 1967, Taschen, 1999
Bernd und Hilla Becher, Alto – Fornos (Hochöfen), Schirmer/Mosel, München, 1990/2002
Andreas Gursky, MoMA, New York, 2001
Thomas Struth, 1977-2002, Dallas Museum of Art, Dallas, 2002
Hans-Peter Feldmann, Katalog, Koenig Books, London, 2012

 
Martin Ogolter
Nasceu na Áustria. Em 1990 mudou-se para Nova Iorque, onde graduou-se na renomada School of Visual Arts. Em Nova York trabalhou como Diretor de Arte em editoras e gravadoras, como Penguin Books e Atlantic Records. A partir de 1994, teve suas fotos publicadas em capas de discos, além de livros e revistas internacionais de design e fotografia, o que lhe rendeu prêmios. Há mais de onze anos o artista está radicado no Rio de Janeiro, cidade onde vive e trabalha, na qual realizou sua primeira exposição individual em 2011, ele também tem participado em feiras de arte, tais como: SP ARTE, ART RIO e SP ARTE-FOTO.