Cursos do professor



Michelle Sommer

Doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pelo PPGAV/UFRGS (2012-2016), com estágio doutoral junto à University of Arts London / Central Saint Martins (2015) na área de estudos expositivos, com bolsas CNPQ e CAPES, respectivamente. É mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo PROPUR/UFRGS (2003-2005) na área de cidade, cultura e política e arquiteta e urbanista pela PUCRS (1997-2002). É autora do livro 'Práticas Contemporâneas do Mover-se' (2015), resultante de premiação pública Rumos Itaú Cultural 2013-2014 e 'Territorialidade Negra: a herança africana em Porto Alegre, uma abordagem sócio-espacial' (2011), resultante de premiação pública Fumproarte. Em 2016 foi curadora residente no Museo Experimental del Eco, da Universidade Autônoma do México (UNAM), fruto de premiação para residência internacional do Centro Cultural São Paulo. É integrante do corpo docente na Escola de Artes Visuais Parque Lage / RJ e, atualmente, em conjunto com Gabriel Pérez-Barreiro, prepara exposição sobre o pensamento crítico de Mário Pedrosa para o Museu Reina Sofia / Madri, para abril de 2017, com ênfase em arquitetura e arte moderna brasileira. Contribui regularmente para publicações nacionais e internacionais e realização de projetos de artes visuais em diversos formatos, incluso coordenação de residências artísticas. Atua no ensino, pesquisa, crítica e curadoria de artes visuais.

Estudos Curatoriais

Nós os objetos e eles os sujeitos. Ecologia estética das relações humanas e o não humanas aplicadas à prática artística

Há um sentimento crescente na cultura contemporânea de que as tradicionais categorias de “humanidade” e “mundo” — a espécie e o planeta, as sociedades e seus ambientes, os sujeitos e os objetos, a cultura e a natureza, o pensamento e o corpo — entraram, já faz algum tempo, em colapso. Partindo das práticas de alguns dos mais importantes pensadores e artistas atuais – Eduardo Viveiros de Castro, Lothar Baumgarten, Bruno Labour, Tino Sehgal, Davi Kopenawa ou Renata Lucas – e da análise do trabalho pessoal dos participantes, veremos como este colapso do entendimento tradicional do mundo é um prato cheio de oportunidades de engajamento impulsionado pela arte em suas propulsoras imaginações conceituais.

03 de maio a 28 de junho
Quarta-feira das 19h30 às 22h30
R$ 380,00/mês

Saiba mais…