III Prêmio Reynaldo Roels Jr.

mac-niteroi

Pedro Varella (com o coletivo G.rua arquitetos) “De onde não se vê quando se está”
APRESENTAÇÃO
REGULAMENTO DO PRÊMIO
PROGRAMAÇÃO DO SEMINÁRIO
DIVULGAÇÃO DOS SELECIONADOS
ANÚNCIO DO RESULTADO
SOBRE REYNALDO ROELS JR.
ABERTURA DA INSTALAÇÃO

Pedro Varella – contemplado pelo III Prêmio Reynaldo Roels Jr. – abre a instalação
“De onde não se vê quando se está”, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Parceria da EAV Parque Lage com o MAC Niterói

No dia 10 de dezembro, domingo, Pedro Varella abre a instalação “De onde não se vê quando se está”, a partir das 10h, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói. O projeto conta com a colaboração do gru.a (grupo de arquitetos) e foi contemplado pelo III Prêmio Reynaldo Roels Jr. – uma parceria entre a EAV Parque Lage e o MAC Niterói.

Pela primeira vez, nestes 21 anos de existência do MAC Niterói, a cobertura do museu será ocupada e visitada. “De onde não se vê quando não se está” tem como proposta tirar o MAC da vista e qual é o local mais adequado para isso? A cobertura! “A arquitetura do MAC parece querer dominar a paisagem da Baía de Guanabara. Com um único ponto de contato com o solo, a estrutura apresenta-se autônoma, absoluta”, explica o artista. O trabalho apresentado torna possível desvelar outras situações, marcadas por um espaço-tempo atípico, possível somente no contexto de uma fugaz obra instalativa.

O artista propõe ainda um desafio: como se desvencilhar da imagem que domina a experiência de quem visita o MAC? O projeto busca, portanto, adicionar à experiência do público a chance de simultaneamente estar neste objeto marcante e perder de vista sua imagem. Para isso, a ideia da ocupação da laje de cobertura do museu, de onde não se pode mais determinar seus limites nem reconhecer sua forma. “A instalação de uma escada em estrutura tubular no trecho da rampa que dá acesso ao pavimento de exposições – a mesma estrutura usada por alpinistas contratados para limpar os vidros do museu – oferece ao público a oportunidade de habitar a cobertura. A forma da superfície de cobertura, côncava para quem mira por baixo – a partir do salão de exposições – e convexa para quem a ocupa por cima, potencializa o que chamamos da dissolução do MAC, ou ao menos da imagem que se tem dele”, diz Pedro.

“Estar na cobertura do MAC aponta ainda para o que foi aquele sítio antes da construção do museu: o mirante da boa viagem, um promontório debruçado sob o mar da Guanabara. A possibilidade de engendrar essas interpretações fez com que o projeto que aqui se apresenta se contaminasse positivamente, apresentando-se, agora, como resultado do rico cruzamento ocorrido durante as duas semanas de seminário oferecido pela EAV Parque Lage, em parceria com o MAC Niterói, dentro do contexto do III Prêmio Reynaldo Roels Jr”, finaliza o artista.

Para a instalação e o acesso à cobertura, serão distribuídas pulseiras a quem tiver adquirido ingresso para entrar no museu (e quarta-feira será de graça). As pulseiras serão distribuídas em quatro horários durante o dia (9h30, 11h30, 13h30 e 15h30) exclusivamente para o acesso nos horários de visitação subsequentes. A distribuição obedecerá a ordem de chegada à recepção do museu. Portanto, não haverá possibilidade de compra antecipada ou de reserva.

FICHA TÉCNICA DO PROJETO
Autoria: Pedro Varella
Desenvolvimento: gru.a (grupo de arquitetos)
Projeto de estrutura: Rodrigo Affonso
Colaboradores: Caio Calafate, André Cavendish, Julia Carreiro
Estrutura: jirau
Montagem: New Alfa
Agradecimento: Bruno Contarini
 


APOIO INSTITUCIONALMAC