Conversas

LANÇAMENTO DA Aula públicaDê doce no Parque, com mestre Aderbal Ashogun

Dia 27 de setembro de 2015, domingo, às 11h

OCA Kupixawa

DÊ DOCE NO PARQUE: O PAPEL DA CRIANÇA E DO JOVEM NAS CULTURAS AFRO-BRASILEIRAS
Primeiro encontro que inaugura o programa inédito de Aula Pública. Dê doce no Parque é uma celebração ao dia de São Cosme e Damião, produzida pelo artista e professor da EAV Aderbal Ashogun que trará lideranças indígenas, ciganas, das periferias e dos povos de terreiro para discutir o papel da criança e do jovem nas culturas afro brasileiras. Mãe Beata de Iyemonjá será a mestre de cerimônia.

Inscrição gratuita a partir das 9h no local (sujeito a lotação).

Aderbal Ashogun é mestre premiado pelo IPHAN por suas ações na preservação e manutenção da cultura afro-brasileira, Coordenador da OMO ARO CIA CULTURAL, desde 1992, que tem como prioridade a manutenção e resgate do complexo cultural dos povos tradicionais de terreiros. Promove ações afirmativas como músico, artista visual, ativista ambiental e produtor cultural. Participou da ECO 92, quando começou a coordenar o projeto OKU ABO. Realizou oficinas internacionais de cultura afro-brasileira em Madri e Londres (1998). Participou do Fórum de Espiritualidade e Sustentabilidade da Água, em Taiwan e China, 2004. Foi palestrante em inúmeros seminários, entre eles o 9º Congresso Mundial de Tradição e Cultura de Orixá (UERJ,2005) e o Iº Seminário contra o Racismo Ambiental (UFF, 2006). Coordena a Rede Afro-ambiental que promove ações de articulação entre mestres e sacerdotes das culturas tradicionais, ambientalistas  e artistas dos mais variados segmentos.

Mãe Beata está à frente do terreiro Ilê Omi Oju Aro, em Nova Iguaçu. Nascida em Cachoeira do Paraguaçu, no Recôncavo Baiano, foi iniciada no candomblé em 1956, em Salvador, por Mãe Olga do Alaketu. Chegou ao Rio de Janeiro no fim dos anos 1960. Em 1985, fundou a Comunidade de Terreiro Ilê Omi Ojú Arô (Casa das Águas dos Olhos de Oxóssi), e iniciou um reconhecido trabalho de fortalecimento da cultura afro-brasileira. Ponto de Cultura desde 2010, o Ilê Omi Oju Aro abriga aulas de samba de roda, afrocultura digital, a arte do ferro e teatro. Mãe Beata também é escritora, e já lançou livros como Caroço de dendê: a sabedoria dos terreiros. Rio de Janeiro: Pallas, 2002, e Histórias que a minha avó contava. São Paulo: Terceira Margem, 2004.

—————————————————————————————————————————————————————–

SOBRE AS AULAS PÚBLICAS
A cada último domingo do mês um convidado realiza uma aula aberta ao público com temas diversificados e atividades preparadas especialmente para cada encontro. O objetivo das aulas é estimular a troca de saberes e aproximar o público frequentador do Parque Lage das atividades e programação da Escola, a partir de intervenções artísticas e conversas. As inscrições são realizadas duas horas antes do início das atividades e o número de participantes está sujeito à natureza das atividades a serem desenvolvidas.