EAV Parque Lage

Arte como conhecimento

Arte como conhecimento

Montagem com reproduções de diferentes artistas.

_
Professor: Franz Manata

Curso Semestral 2020.1
04 de março a 24 de junho
Quarta-feira, 10:00–13:00
R$ 1.520,00 ou 4 parcelas de R$ 380,00

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
Todos os alunos devem pagar a taxa administrativa anual. No caso dos alunos que realizarem o pagamento do curso on-line, a taxa administrativa anual no valor de R$100,00, deverá ser paga pelo aluno no dia que vier pegar seu comprovante de matrícula no curso, antes de entrar na aula, diretamente na secretaria da escola.

O curso, teórico, apresenta aos iniciantes como os artistas construíram a arte enquanto um campo do pensamento. Através de uma abordagem histórica, é traçado um panorama que vai da pré-história aos dias atuais, privilegiando o ponto de vista dos artistas. Um vasto conjunto de imagens e filmes serão apresentados além de visitas a exposições e galerias.

Conteúdo
Problematizando a arte enquanto um campo do conhecimento; O que confere o status de arte e como sua cadeia de legitimação constitui o saber artístico de uma época; Os contextos históricos e sua formação; A representação na Pré-história, sua vocação idealista nos gregos (Séc. VII a.C.) e realista da Renascença (Séc. XV até a crise da representação instituída pelos Impressionistas); Quatro grandes respostas: Vertente Formal-Expressiva: Expressionismo, Fauvismo, Futurismo e Expressionismo Abstrato, Vertente Formal-Construtiva: Cubismo, Neo-Plasticismo, Construtivismo e todas as vertentes de cunho geométrico, Vertente Simbólica: Simbolismo e Surrealismo, Vertente Conceitual: Dadaísmo, Arte Conceitual, Pop Art e Arte Contemporânea.

Dinâmica
Aulas teóricas com apresentação de vasto conjunto de imagens e vídeos. Quando contextualizado com o conteúdo tratado, os participantes serão convidados a realizar visitas a exposições junto com o professor.

Referências
ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
ARGAN, Giulio. A História da arte. In: História da arte como História da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
________. Arte e crítica de arte. Lisboa: Estampa, 1988.
BASBAUM, Ricardo (org.). Arte Contemporânea Brasileira: Texturas, Dicções, Ficções, Estratégias. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 2001
BRETT, Guy. Brasil Experimental-arte/vida, proposições e paradoxos. Rio de janeiro: Contra Capa, 2005.
CALABRESE, Omar. A linguagem da Arte. Rio de Janeiro: Globo, 2002.
CANEVACCI, Massimo. Antropologia da comunicação visual. Rio de Janeiro:DP&A, 2001.
CANCLINI, Néstor Garcia. A socialização da Arte. São Paulo: Cultrix, 1984
CHARTIER, Roger. Introdução; História intelectual e história das mentalidades. In: A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
COCCHIARALE, Fernando;GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. 2. ed. Rio de Janeiro: Funarte, 2004.
DE DUVE, Thierry. O que fazer da vanguarda? In: Arte & Ensaios, Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – EBA / UFRJ, Rio de Janeiro, n. 20, jul. 2010. Disponível em ppgav.eba.ufrj.br _Thierry_Duve.pdf
DIDI-HUBERMAN, Georges. A História da arte no limite de sua simples prática. In:Diante da imagem: que tão colocada aos fins de uma história da arte São Paulo: Ed. 34, 2013.
DUARTE, Paulo Sérgio. Arte brasileira contemporânea: um prelúdio. 1a Edição: Editora Silvia Roesler Edições de arte, 2008.
FERREIRA, Glória (Org.). Crítica de arte no Brasil: temáticas contemporâneas. Rio de Janeiro: Funarte, 2006
________; COTRIM, Cecília (orgs.). Escritos de Artistas – Anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
GONZAGA DUQUE. A Arte Brasileira. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1995. [Primeira edição: 1888]
PEREIRA, Sonia Gomes. A Academia de Belas Artes e a historiografia da arte no Brasil. In: CAVALCANTI, Ana; MALTA, Marize; PEREIRA, Sonia G. (orgs.). Coleções de arte: formação, exibição e ensino. Rio de Janeiro: Rio Books/Faperj, 2015.
PANOFSKY, Erwin. A história da arte como uma disciplina humanística. In:Significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 1979.
RECHT, Roland. A escrita da história da arte diante dos modernos: observações a partir de Riegl, Wölfflin, Warburg e Panofsky. In: Arte & Ensaios, Revista do Programa de Pós Graduação em Artes Visuais, EBA/UFRJ, Rio de Janeiro, ano XXII, n. 30, dez. 2015.
ZANINI, Walter. História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

Franz Manata é artista, curador e professor. Mestre em Linguagens Visuais pela EBA-UFRJ, com formação em Economia e especialização em Sociologia e Administração Financeira na PUC-MG. Trabalhou, durante oito anos, no departamento curadoria do MAM-RJ. Nos últimos anos, publicou textos, participou de debates, encontros, palestras e comissões de seleção. Atualmente leciona na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, RJ, é curador independente e consultor de arte para instituições públicas, coleções privadas e corporativas. Como artista trabalha em parceria com Saulo Laudares desenvolvendo o duo Manata Laudares, e desde 1998 vem participando de exposições individuais e coletivas, no Brasil e exterior. São representados pela Sé Galeria, em São Paulo.