EAV Parque Lage

Arte e(m) Contexto

Arte e(m) Contexto

Lucas Icó – montagem curso arte e(m) contexto

Professor: Lucas Icó

Curta duração 2020.2
12 de agosto a 28 de outubro*
Quartas, de 20h às 22h
R$ 250,00 por módulo

*Curso em módulos. É possível cursar os módulos separadamente.

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
A matricula online não oferece desconto. A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

ARTE E CONTEXTO SOCIAL, PRÁTICAS PLÁSTICO-DISCURSIVAS E ESTÉTICO-POLÍTICAS, ESPAÇOS PÚBLICOS, LOCALIZAÇÃO, PESQUISA-AÇÃO

SOBRE
ARTE E(M) CONTEXTO quer proporcionar um ambiente de investigação da relação entre arte e contexto social a partir da troca de narrativas, representações visuais, sensibilidades e posicionamentos políticos. Vamos abordar modos como a prática artística apresenta, representa e se relaciona com, assim como de certo modo, cria seu contexto.

Serão apresentados alguns aspectos dessa discussão em cada um dos módulos a partir dos trabalhos de artistas, coletivos e pesquisadores ao redor de temas: arte em espaços públicos; arte e gentrificação; arte e movimentos sociais; arte e políticas públicas; arte e pesquisa; arte e ativismo.

O curso também tem por objetivo acompanhar as construções narrativas que emergem da relação entre produção artística e contexto. Como lidar a partir da arte com um contexto de aumento da exploração e da precarização da vida? Ao articular arte e contexto social durante a pandemia, que noções de esfera pública e de vida estão em jogo? Que práticas, sensibilidades e narrativas podem aparecer? Vamos partilhar experiências, realizar exercícios individuais e coletivos e acompanhar a produção dxs alunxs. Os conceitos centrais que vão conduzir esse curso são arte e contexto social, práticas plástico-discursivas e estético-políticas, espaços públicos, localização, pesquisa-ação.

CONTEÚDO
Será dividido em 3 módulos independentes com a apresentação de conteúdos em torno aos seguintes temas: arte, políticas públicas e gentrificação (agosto); arte, espaços públicos e movimentos sociais (setembro); arte, pesquisa e ativismo (outubro). O conteúdo pragmático do curso inclui conhecer os trabalhos de Martha Rosler; Guerreiro do Divino Amor; Ernesto de Carvalho; do duo argentino Iconoclasistas; do coletivo boliviano Mujeres Creando; coletivx argentinx Serigrafistas Queer; do coletivo Frente 3 de Fevereiro; do coletivo Bonobando; de Amilcar Packer. Também as exposições e projetos artísticos Céu Aberto; Explode! Residency; Arte e ativismo e Textão. Vamos relacionar os processos artísticos à leitura de autores como María Galindo, Barbara Szaniecki, Cristina Ribas, Laura Burocco, Daniel Lima, André Mesquita, Brian Holmes, Coletivo Duplus, Coletivo Situaciones e Coletivo 28 de maio. Para amplificar a percepção do contexto a partir do corpo e das suas coletividades, vamos experimentar com exercícios que articulam a relação da perspectiva implicada de arte de cada alunx com o contexto social, dando ênfase nas linguagens visuais criadas por todos.

CRONOGRAMA

Módulo 1 – 12 de agosto a 02 de setembro

Arte, políticas públicas e gentrificação.

Apresentação do trabalho de Martha Rosler para observar relações entre arte, economia criativa, políticas públicas e gentrificação; conhecer alguns projetos artísticos atuais ou recentes como os do Guerreiro do Divino Amor, de Ernesto Carvalho, assim como o projeto Céu aberto (2016/17) e o filme Era o hotel Cambridge (2016); leremos textos de Barbara
Szaniecki, Cristina Ribas e Laura Burocco para relacionar esses projetos às lutas por direitos e movimentos de ocupação que ocorreram por todo Brasil durante os megaeventos de 2009 a 2016 (concentraremos no Rio de Janeiro); vamos fazer exercícios visuais, narrativos e especulativos relacionados aos estudos.

Módulo 2 – 09 a 30 de setembro

Arte, espaços públicos e movimentos sociais.

Apresentação do trabalho de coletivos artísticos e movimentos que vem criando ações em espaços públicos como Mujeres Creando (Bolívia), Serigrafistas Queer (Argentina), Frente 3 de Fevereiro (São Paulo) e Bonobando (Rio de Janeiro), assim como as cartografias do duo argentino Iconoclasistas junto a grupos auto-organizados, para observar relações entre arte,
movimentos sociais e espaços públicos ou comuns; leremos textos de André Mesquita, Daniel Lima, María Galindo e Brian Holmes para situar relações entre ações no espaço público, lutas territorializadas, contexto social e prática artística; vamos fazer exercícios visuais, narrativos e especulativos relacionados aos estudos.

Módulo 3 – 07 a 28 de outubro

Arte, pesquisa e ativismo.

Apresentação de exposições e projetos artísticos como Explode! Residency (São Paulo, 2016), organizado por Cláudio Bueno e João Simões, o programa de residências artísticas Arte e ativismo (Rio de Janeiro, 2016-18), organizado pelo espaço Despina (Consuelo Bassanesi) e a exposição Textão (são Paulo, 2018) com curadoria de Lastro (Beatriz Lemos), Explode! e o Lanchonete.org; leremos textos do coletivo Duplus, Coletivo Situaciones, e do Coletivo 28 de maio para situar relações entre arte, pesquisa e ativismo; vamos fazer exercícios visuais, narrativos e especulativos relacionados aos estudos.

DINÂMICA
Aula por videoconferência
Exercícios semanais com acompanhamento coletivo em aula

PÚBLICO
Indicado para pessoas interessadas em desenvolver processos artísticos e pessoas com processos artísticos em andamento.

REFERÊNCIAS

COLETIVO 28 DE MAIO. O que é uma ação estético-política?. Fortaleza: Revista Vazantes, 2017.

COLETIVO SITUACIONES. Sobre o militante investigador, 2003.

DUPLUS. A prática artística para além do dispositivo de exibição. Buenos Aires: Fundación Proa, 2005.

GALINDO, María (org). Mujeres Grafiteando… más. La Paz: Mujeres Creando, 2009.

HOLMES, Brian. Eventwork: The Fourfold Matrix of Contemporary Social Movements, 2011.

LIMA, Daniel; TAVARES, Tulio (Org.). NA BORDA: nove coletivos, uma cidade. São Paulo: Invisíveis produções, 2012.

MESQUITA, André. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva. São Paulo: Annablume, 2011.

RIBAS, Cristina (org). Vocabulário Político para processos estéticos. Rio de Janeiro/Recife: Aplicação, 2014.

ROSLER, Martha. Culture Class. Berlin: Sternberg Press, 2013

RECURSOS NECESSÁRIOS
Acesso à internet
Computador ou celular com câmera

SECRETARIA
– Todos os cursos online emitem certificado.
– A matrícula online não oferece desconto.
– A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

LUCAS ICÓ
Artista, pesquisador, professor, padrasto. Vem investigando, já há alguns anos, a partir da sua prática como artista, a relação entre arte e contexto social. Essa investigação, algumas vezes, derivou na organização de encontros, caminhadas, impressos, instalações, vídeos e textos. Mais recentemente concluiu o mestrado em Artes Visuais pelo PPGAV-EBA-UFRJ (2019). É bacharel em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UERJ (2014); pós-graduado pelo Programa de Artistas da Universidad Torcuato Di Tella em Buenos Aires (2016); e também ex-aluno da EAV Parque Lage de 2007 a 2013, tendo participado dos programas de formação. Organizou, na escola, em 2020 com Cristina Ribas o curso Cartografias, redes, localização… situação. Além disso realizou trabalhos em instituições como Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; Espaço Municipal Sérgio Porto; Goethe Institut RJ; Sesc Pompéia e Belenzinho; Galeria Anita Schwartz; Galeria A gentil Carioca; Le 19 Crac; entre outros.