EAV Parque Lage

As artes, seus públicos e lugares

As artes, seus públicos e lugares

Foto: Maite Claveau.

Professor: Nathanael Araújo

Curso Semestral 2020.1
03 de março a 23 de junho
Terça-feira, 14:00–17:00
R$ 1.520,00 ou 4 parcelas de R$ 380,00

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
Todos os alunos devem pagar a taxa administrativa anual. No caso dos alunos que realizarem o pagamento do curso on-line, a taxa administrativa anual no valor de R$100,00, deverá ser paga pelo aluno no dia que vier pegar seu comprovante de matrícula no curso, antes de entrar na aula, diretamente na secretaria da escola.

O presente curso tem como objetivo produzir um livro coletivo a partir da criação artística desenvolvida ao longo de conversas e observações sobre a relação do público com as artes. O curso terá uma dimensão reflexiva e outra prática. A dimensão reflexiva será embasada em conversas estimuladas por uma vasta bibliografia interpretativa sobre a relação entre artistas, lugares, obras e públicos. A dimensão prática será desenvolvida a partir da observação do público em visitas a exposições com a proposta de exercícios em mídias variadas. Buscaremos assim exercitar o olhar dos alunos, os conduzindo a observação e reflexões visuais de suas observações de pessoas e obras in situ. A relação entre a bibliografia explorada e as observações e reflexões transformadas em material visual irão compor uma publicação coletiva dos participantes do curso.

Conteúdo
A construção da identidade de artista; A profissionalização do artista; As relações entre arte e vida social; A formação de artistas na contemporaneidade; Os públicos ao longo do tempo; Modos de ler o lugar, As obras e as pessoas em interação com a arte.

Metodologia
A curso intercala a teoria com a prática-experimental. No que se refere à primeira, a cada encontro, um tópico será debatido tendo como guia a leitura de um texto entregue previamente aos alunos. No que diz respeito à prática, os alunos serão levados a algumas exposições em museus para que realizem experimentos de observação e interação com pessoas em contato com a arte. O objetivo é expandir a compreensão dos alunos sobre a produção artística e os condicionantes a sua fruição. O material produzido (notas, fotografias, desenhos, etc.) dará substrato a uma publicação coletiva, construída ao longo do próprio curso.

Referências
ARAUJO, Nathanael. Experiências e memórias negras revisitadas: a transmutação poética. Jornal de Borda, Campinas, v. 4, p. 30 – 31, 17 mar. 2017.
BECKER, Howard S. Mundos da Arte. Lisboa: Livros Horizonte, 2010.
BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. O amor pela arte: museus de arte na Europa e seu público. SP: Edusp / RS: Zouk, 2003.
BOTELHO, Isaura. Os públicos da cultura: desafios para as políticas culturais In: Revista Observatório Itaú Cultural: OIC. – N. 12. São Paulo: Itaú Cultural, 2011.
CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. RJ: FGV Editora, 2009.
CHARTIER, Roger. A Ordem dos Livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.
DABUL, Lígia. “Conversas em exposição: sentidos da arte no contato com ela”. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; BEZERRA, Rafael Zamorano; BENCHETRIT, Sarah Fassa. (Org.). Museus e Comunicação. Exposições como objeto de estudo. RJ: Museu Histórico Nacional, 2010, v. 1, p. 99-111.
_____. “Práticas Sociais em Exposições de Arte de Centros Culturais: Formas de Ocupação de Espaços Públicos”. In: VALENÇA, Marcio; CAVALCANTE, Gilene Moura (Org.). Globalização e Marginalidade: Transformações urbanas. RN: EUFRN, 2008, v. 1, p. 179-188.
_____. “Sociabilidade e os sentidos da arte: conversas em exposições”. In: BUENO, Maria Lucia. (Org.). Sociologia das Artes Visuais no Brasil. SP: Editora do Senac, 2012, v. 1, p. 291-303.
ELIAS, Norbert. Mozart: sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.
ESQUENAZI, Jean-Pierre. Sociologia dos Públicos. PT: Porto Editora, 2006.
GRIGOLIN, Fernanda; MEDEIROS, Vânia; FELDHUES, Marina; ARAUJO, Nathanael; FABRES, Paola. Aquilo Tudo Antes do Porvir. Arte ConTexto , v. 4, p. 10-13, 2016.
HEINICH, Nathalie. As reconfigurações do estatuto de artista na época moderna e contemporânea. Tradução: Sonia Taborda. Revista Porto Arte, Porto Alegre, v.13, n.22, p.137-146, mai. 2005. Disponível em ufrgs.br Acesso em 27 de julho de 2014.
MOLLIER, Jean-Yves. A leitura e seu público no mundo contemporâneo: ensaios sobre história cultural. Trad. Elisa Nazarian. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2007.
PONTES, Heloisa; CESAR, Rafael do Nascimento. “Cities, stages and audiences: Rio de Janeiro and São Paulo in two acts”. Sociologia e Antropologia, v. 7, n. 2, p. 491-519, ago. 2017.
SANTOS, Anderson Pinheiro (Org). Diálogos entre Arte e Público – Acessibilidade Cultural: o que é acessível e para quem? Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, v. 3, 2010.
SANTOS, Bruno Marco Cuer dos. Visitando o museu pela porta dos fundos: Vigilantes e transportadores de obras de arte e a ressignificação do habitus. Dissertação (Mestrado) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Guarulhos, 2015.
WARNER, Michael. Publics and Counterpublics. New York: Zone Books, 2002.

Nathanael Araújo é graduado em licenciatura em Ciências Sociais (UFF/2013) e mestre em Ciências Sociais (UFRRJ/2016). Doutorando em Antropologia Social pela UNICAMP, com experiência nas áreas de Antropologia e Sociologia Urbana, Antropologia e Sociologia da Arte e Estudos em Gênero e Sexualidade. Investiga as relações entre o mercado editorial, o mercado de arte e a produção das grandes cidades. É pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (NDD/CEBRAP), do Núcleo de Estudos de Gênero (PAGU/UNICAMP) e do Ateliê de Produção Simbólica e Antropologia (APSA/UNICAMP). Também é editor da Proa: Revista de Antropologia e Arte, onde co-organizou o dossiê Arte e Rua (2017) e o dossiê Antropologia e Arquitetura (2019). Organizou para a Revista Ludere o dossiê Gênero e Sexualidade (2018) e, mais recentemente, co-organizou o livro Imigração e Cultura Material: coisas e pessoas em movimento (Oikos, 2019). Tem oferecido e ministrado cursos sobre História, Sociologia e Antropologia dos Livros e da Edição em espaços como Casa Plana, Sala Tatuí e EAV Parque Lage.