EAV Parque Lage

Caminhar: prática estética e política e...

Caminhar: prática estética e política e...

Lucas Icó – Diagrama e painel do Grupo de caminhadas, 2016_

Professor: Lucas Icó

Cursos – Julho 2020
Julho . Quarta, de 19h às 21h
R$250,00

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
A matricula online não oferece desconto. A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

O curso Caminhar: prática estética e política e… quer proporcionar, a partir de narrativas, representações visuais, sensibilidades e posicionamentos políticos, um ambiente de investigação do caminhar como prática cartográfica estético-política, expressiva e inventiva. Vamos abordar o caminhar como modo de localizar-se, relacionar-se e de apresentar ou representar a relação com o lugar. Serão apresentadas as práticas de alguns artistas, coletivos e pesquisadores que trabalham derivas, o deslocamento cotidiano e a ação performática como modo de mergulho na criação estética e no contexto social.

O caminhar também mudou com a pandemia. Na situação atual de isolamento social – quem está em isolamento social e quem não está? e por que? – que percepções surgem de deslocamentos interrompidos? E que outras relações e ações cotidianas podem aparecer? Que desejos de movimento, coletividade e memórias de lugares são suscitados? Vamos partilhar experiências, realizar exercícios individuais e coletivos e acompanhar a produção dxs alunxs. O curso tem por objetivo acompanhar as construções narrativas que emergem da experiência pedestre – assim como das memórias de caminhadas, das caminhadas mentais e em sonhos, e dos pequenos deslocamentos.

Conteúdo
O curso quer gerar dinâmicas em que desenhos, mapas de deriva, territórios ficcionais e narrativas sejam produzidos. Os conceitos centrais que vão conduzir esse curso são caminhada e deriva, produção gráfica e visual, cartografia, situação, localização, pesquisa-ação, práticas estético-políticas.

O conteúdo do curso inclui conhecer as derivas situacionistas, o delirium ambulatorium de Hélio Oiticica, as linhas de erro de Fernand Deligny, o projeto Grupo de caminhadas, assim como o trabalho dos cineastas Mbyá-Guarani Ariel Kuaray, Jorge Morinico e Patricia Ferreira. As caminhadas são ferramentas para a arte, assim como meio vital e de resistência para lutas e sujeitos territorializados – para contribuir com essa perspectiva, por exemplo, xs alunxs vão conhecer as caminhadas de Denise Costa dos Santos.

Para amplificar a percepção territorial a partir do corpo e das suas coletividades, vamos experimentar com exercícios a partir de pequenos deslocamentos nos espaços habitados pelxs alunxs, dando ênfase nas linguagens visuais criadas por todos.

Dinâmica
Aula expositiva por videoconferência.
Exercícios semanais com acompanhamento coletivo em aula
Compartilhamento de referências semanais com debates coletivos em aula.

Público
Indicado para pessoas interessadas em desenvolver processos artísticos e pessoas com processos artísticos em andamento.

Materiais necessários
Acesso à internet
Computador ou celular com câmera
Papel, lápis, borracha e outros materiais e/ou dispositivos que tenha maior intimidade.

Referências
BERENSTEIN, Paola Jacques. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.
CARERI, Francesco. Walkscapes. O caminhar como prática estética. São Paulo: Gustavo Gilli, 2013.
DELIGNY, Fernand. Cartes et lignes d’erre / Maps and wander lines. Paris: L’arachneen, 2013.
ICÓ, Lucas. Uma caminhada com Denise. Porto Alegre: Revista Fotocronografias, 2020.
INGOLD, Tim. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Porto Alegre: Revista Horizontes Antropológicos, 2015.
PRADELLA, Luiz Gustavo Souza. Jeguatá: o caminhar entre os Guarani. Porto Alegre: Revista Espaço Ameríndio, 2009.
SOLNIT, Rebecca. Wanderlust – a history of walking. Londres: Penguin, 2001

Pesquisa-ação, Práticas estético-políticas, Deslocamentos, Prática artística; Cartografia; Localização

Lucas Icó Artista, pesquisador, caminhante, designer, professor, padrasto. Vem investigando há alguns anos a relação entre arte e contexto social. Essa investigação algumas vezes tomou forma de encontros, caminhadas e ações performáticas, como também de impressos, instalações, vídeos e textos. A partir de 2015 organizou derivas urbanas semanais no projeto Grupo de caminhadas. Mais recentemente concluiu o mestrado em Artes Visuais no PPGAV-EBA-UFRJ (2019). É bacharel em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UERJ (2014), pós-graduado pelo Programa de Artistas da Universidad Torcuato Di Tella em Buenos Aires (2016) e ex-aluno da EAV Parque Lage de 2007 a 2013, tendo participado de programas de formação da escola. Organizou na EAV em 2020 junto com Cristina Ribas o curso Cartografias, redes, localização… situação. Realizou trabalhos em instituições como Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; Espaço Municipal Sérgio Porto; Goethe Institut RJ; Sesc Pompéia e Belenzinho; Galeria Anita Schwartz; casamata; Galeria A gentil carioca; Le 19 Crac; entre outras.