CURADOR E CURADORIA

CURADOR E CURADORIA

Professora: Sonia Salcedo

1º semestre
11 de janeiro a 08 de fevereiro,
Quinta-feira, 18:00–21:00
R$ 380,00

   

Objetivo
Discutir alguns tópicos essenciais a atividade do curador e da curadoria na contemporaneidade, propondo um espaço de reflexão sobre experiências curatoriais no ambito da história das exposições e nos seus desdobramentos essenciais na produção deste começo de século. O curso conta com aulas teóricas e visitas a galerias, instituições culturais e museus, divididas em 4 modulos:

1) História das exposições e o papel do curador
2) Projetos de exposições I estudo de caso
3) Visita a exposição
4) Exercício

Justificatica
A origem da palavra ‘curador’ vem do latim, curator, que significa aquele que tem uma administração a seu cuidado, designando o tutor, a pessoa que cuida, o encarregado de zelar. Empregada mais comumente nas artes visuais, a curadoria do ponto de vista institucional designa, de modo genérico, o processo de organização e montagem da exposição pública de um conjunto de obras de um artista ou conjunto de artistas. Mas esta definição já não acolhe, com propriedade, a atuação do curador como mediador cultural na atualidade. A curadoria ocupa hoje uma posição central no sistema da arte, em permanente negociação com outras formas de mediação cultural, sejam elas as educativas, de gestão cultural e também as de gestão de patrimônio/coleções.
As transformações artisticas ocorridas desde a segunda metade do seculo XX colocaram em questão o papel das exposições de arte e, assim, a formação necessária aos profissionais que atuam nesta área. Partindo deste principio, o curso tem como objetivo oferecer uma introdução sobre o oficio do curador ( não é portanto um curso para formar curadores), problematizando impasses e desafios que a arte dos dias recentes coloca para o campo das exposições. Os principais conceitos que orientavam as práticas em curadoria entendiam-na como um processo que abrange diferentes etapas de tratamento da obra de arte no museu. A recepção, documentação, conservação e extroversão eram, portanto, as etapas do processo curatorial. Contudo, a arte recente aponta para uma compreensão sobre o assundo calçada num conjunto de práticas baseadas nas teorias de ensino da arte, na produção da obra, na reflexão sobre a função do artista e contextos sócio-culturais, levando-se em conta as especificidades expositivas e/ou museais.

Bibliografia sugerida
BELTIN, Hans. O fim da história da arte. São Paulo: Cosac Naif, 2005.
CASTILLO, Sonia Salcedo del. Arte de Expor – curadoria como expoesis. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2014.
­­­­______,  Cenário da arquitetura da arte – montagens e espaços de    exposições.Coleção Todas as Artes. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre Cenografias – O Museu e a Exposição de Arte   no Século XX. São Paulo: Edusp, Fapesp, 2004.

O’DOHERTY, Brian. No Interior do Cubo Branco: A Ideologia do Espaço da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2007.