EAV Parque Lage

Dimensões expositivas - da visualidade a cena

Dimensões expositivas - da visualidade a cena

Neno del Castillo. Sem título, 1996.

Professora: Sonia Salcedo

Curso de Curta duração 2020
03 de março a 28 de abril
Terça-feira, 19:00–22:00
R$ 760,00 ou 2 parcelas de R$ 380,00

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
Todos os alunos devem pagar a taxa administrativa anual. No caso dos alunos que realizarem o pagamento do curso on-line, a taxa administrativa anual no valor de R$100,00, deverá ser paga pelo aluno no dia que vier pegar seu comprovante de matrícula no curso, antes de entrar na aula, diretamente na secretaria da escola.

O curso aborda a vizinhança entre as artes cênicas e as artes visuais, enquanto contágio trans-específico, condicionador de uma nova noção de temporalidade (performática) que indica um deslocamento da discussão sobre as exposições de arte, da visualidade à cena. A partir dessa zona de comunidade, resultante de práticas artísticas recentes – que exploraram tanto o binômio temporal entre o dramático e o real quanto a objetualidade na arte e o movimento na cena – o curso investiga estruturas ceno-visuais que se não transformam o contexto expositivo em dramático, internalizaram-lhe um sentido de ser (raison d’être) enquanto agente de ação. Todo espectro de trabalhos in situ e/ou site specific, esculturas ambientais (instalações) e quadros vivos, além das artes performáticas (happenings), conceituais, notações e acessórios cênicos, são exemplares de abordagem, assim como práticas estéticas realizadas nos espaços públicos que se convertem em estratégia de aproximação com a realidade e o público.

Conteúdo
A partir da ideia de temporalidade expandida, embasada por analogias entre proposições vanguardistas históricas e experimentalistas dos anos 60 e 70, promove uma reflexão sobre as dimensões expositivas dos dias de hoje (intra ou extra muros) enquanto lugar de fricção teatral. Interessa ao curso processos expositivos concernentes não apenas a poéticas construídas no âmbito do espaço material, como também no campo do espaço mental, feito espacialidades imaginadas, abordados, assim, segundo 5 módulos: estruturas pictóricas e escultóricas, estruturas arquitetônicas e contextuais, estruturas performativas e processuais, estruturas ficcionais e projetuais, estruturas conceituais e sonoras.

Metodologia
Explanação teórica e apresentação de imagens exemplares como conteúdo reflexivo para possíveis exercícios criativos. Através de um dinâmica de grupo de estudos, textos escolhidos visam enriquecer as discussões em sala de aula e o repertório criativo do aluno. Ao fim dos 5 módulos almeja-se discutir trabalhos produzidos pelos inscritos acerca do tema proposto nos encontros anteriores. Visitas a exposições e palestras de profissionais convidados estão previstas no escopo do curso. Ao final do semestre, os participantes deverão apresentar pesquisa/projeto desenvolvendo assunto de seu interesse relacionado ao programa do curso.

Bibliografia
BACHELARD, Gaston. A poética do Devaneio. São Paulo: Maritns Fontes, 2009.
CARTAXO, Zalinda. Pintura em Distensão. Rio de Janeiro: Centro Cultural Telemar, 2006.
______. A arte nos espaços públicos: a cidade como realidade. O Percevejo, Periódico do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas, PPGAC/UNIRIO, V. 01, N.01 –JAN-JUN, 2009.
CASTILLO, Sonia Salcedo del . Cenário da arquitetura da arte – montagens e espaços de exposições. Coleção Todas as artes. São Paulo: Martins, Martins Fontes, 2008.
______. Arte de expor – curadoria como expoesis. Rio de Janeiro; NAU Editora. 2014.
DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos o que nos olha. São Paulo: Ed. 34, 2010.
FARIAS, Agnaldo A. C. Arte/Cidade. In SECSP. Arte/Cidade: Cidade sem Janelas (catálogo). São Paulo: Marca D’Água, 1994.
FLORES LOPES, Livia. Poéticas da negação: lugares de encontro pelo avesso. Rio de Janeiro: Escola de Comunicação da UFRJ; professora adjunta de História do Espetáculo do curso de Direção Teatral. Artista plástica e professora do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais.
CESAR, Marisa Florido. NÓS, O OUTRO, O DISTANTE: NA ARTE…BRASILEIRA. Rio de Janeiro: Circuito, 2014.
FRANCASTEL, Pierre. O teatro é uma arte visual? Ensaio&Teatro. Rio de Janeiro: Achiamé, n. 5, 1983.
FREIRE, Cristina. Poéticas do Processo; arte conceitual no museu. São Paulo: Iluminuras, 1999.
GUIMARÃES, Adriano. e GUIMARÃES, Fernando (org). Nada Expandido. Brasília: Filhos do Beco, 2013.
HOFFMANN, Jens. A exposição como trabalho de arte. CONCINNITAS, Rio de Janeiro, Uerj, ano 5, número 6, julho 2004, 18-29.
HUCHET, Stéphane. A instalação em situação. Arte & Ensaio, n. 12. Rio de Janeiro, Programa de Pós- Graduação em Artes Visuais/ Escola de Belas Artes, UFRJ, 2005 64-79.
KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fonte,1998.
______. Escultura no Campo Ampliado. In: Arte & Ensaio. Revista do Programa de Pós Graduação Em Artes Visuais. EBA/UFRJ. Ano XV. N.17, 2008, P.135.
KWON, Miwon. One Place After Another. Site-specific art and locational identity. London/England: The MIT Press, 2002.
MELIN, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
O’DOHERTY, Brian. No Interior do Cubo Branco: A Ideologia do Espaço da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
RAMOS, Luis Fernando. Teatralidade e anti teatralidade. Sala Preta, v. 13, n.1, São Paulo, PPGAC, ECA,USP, 2013.
RUIZ, Giselle (org). Articulações – ensaios sobre o corpo e performance. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2015.
SOMMER, Michelle (org). “Práticas Contemporâneas do Mover-‐se”. Rio de Janeiro: Circuito, 2015.

Sonia Salcedo
Pós-Doutora em Artes pelo CNPq junto ao PPGAC/ECO/UFRJ (2017). Doutora em Artes Visuais (2012, EBA/UFRJ), Mestre em História e Crítica da Arte (2002, EBA/UFRJ), Especialista em História da Arte e da Arquitetura (1998, PUC/RJ). Graduada em Cenografia (1990, UNIRIO) e em Arquitetura e Urbanismo (1982/USU) Comunicação Social pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985). Tem experiência nas áreas das Artes e Arquitetura, com ênfase em Expografia da Arte Contemporânea. Atua como pesquisadora e docente, nos seguintes temas: crítica de arte e recepção da obra de arte, teorias e práticas artísticas e curatoriais, exposição e história da arte, arquitetura museal e design de exposições. Desde 2014 é docente da Escola de Artes Visuais do Parque Lage – Rio de Janeiro. É artista curadora e autora dos livros Cenário da Arquitetura da Arte – montagens e espaços de exposições? (2008);Poética Expositiva (2011), Asas a Raízes (2015), Arte de Expor – curadoria como expoesis" (2015); Pontotransição (2016) e Da visualidade à cena: dimensões expositivas da arte (2017). Atua na área de Artes Visuais. Foi profissional técnica da Fundação Nacional de Arte (Funarte), de 1993 – 2018, integrando a comissão curatorial do Centro de Artes Visuais.