Seminário: A tropicalização do Norte

Seminário: A tropicalização do Norte

Concepção geral e supervisão
Lisette Lagnado

Curador assistente
Ulisses Carrilho

 
ANÚNCIO DOS SELECIONADOS
 


EAV Parque Lage e Goethe-Institut oferecem bolsas-viagem para a Documenta 14 (Atenas e Kassel) e Münster Skulptur Projekte.

Com financiamento do Goethe-Institut do Rio de Janeiro, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Cultura, abre inscrições para o seminário “A tropicalização do Norte” dedicado a uma reflexão em torno da documenta 14, mais prestigiada exposição internacional de arte, que acontece a cada cinco anos na cidade de Kassel (Alemanha).

O edital para participar do seminário de desenvolvimento de projetos, elaborado a partir do tema “South as a State of Mind” [O Sul como um estado mental], proposto pelo atual curador Adam Szymcz – a partir da revista independente fundada por Marina Fokidis – oferece a possibilidade de concorrer a 02 (duas) bolsas-viagem para estudantes do Parque Lage irem a Atenas e Kassel, incluindo Münster Skulptur Projekte, mostra de arte pública, criada em 1977, que acontece de dez em dez anos.

O escopo curatorial da documenta 14 estabelece uma outra esfera de negociação com a Europa, escolhendo iniciar o evento na Grécia, país cuja crise financeira vem ocupando as manchetes mundiais nos últimos anos. A população grega recusou as exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Central Europeu (BCE) criando um impasse com os credores europeus.

Nesse sentido, além de reconhecer a base filosófica do helenismo grego, incorporar a cidade de Atenas dentro de um evento da grandeza da Documenta indica que uma exposição de arte não é um acontecimento isolado do contexto político, econômico e ecológico global.

Clichês como “clima perfeito”, vida fácil”, “caos”, corrupção”, “dramaticidade” são evocados pela equipe curatorial da documenta 14 para interrogar o que podemos chamar de Sul. A mostra de Kassel pretende ampliar uma noção geográfica para além de seu significado literal: seria o Sul um conceito, uma metáfora, uma atitude? Uma forma de insurreição?


DO SEMINÁRIO

O seminário do Parque Lage se apropria do problema levantado nessa edição da documenta para traçar linhas de confluência com a situação brasileira pós-olimpíadas. Intitulado “A tropicalização do Norte”, o seminário constitui uma plataforma de reflexão coletiva e desenvolvimento de projetos, que culminará em outubro deste ano com jornadas de debates reunindo membros da equipe curatorial da documenta 14.

Ao total, são vinte vagas, disponíveis mediante envio de currículo e carta de interesse justificando um pré-projeto de até duas páginas. Podem inscrever-se estudantes, artistas, arquitetos e pesquisadores de áreas vinculadas às Ciências Humanas.

A EAV Parque Lage montará uma comissão com exclusiva finalidade de selecionar os participantes do seminário.


ESTRUTURA

A programação compreende encontros com especialistas do circuito que conhecem de perto a história das exposições internacionais de arte contemporânea, tendo participado, direta ou indiretamente, de sua organização.

O programa tem acompanhamento crítico de Lisette Lagnado, diretora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage desde 2014 (curadora da 27ª Bienal de São Paulo, “Como Viver Junto”, 2006). A carga horária é de 32 horas, distribuídas ao longo de cinco dias de encontros imersivos.

O primeiro encontro público acontece no dia 7 de março com a aula aberta “Cultura? Para quê e para quem?” de Max Jorge Hinderer Cruz (Bolívia/Alemanha) crítico cultural, curador e membro do núcleo coordenador do Programa de Ações Culturais Autônomas (P.A.C.A.) de São Paulo (com Amilcar Packer, Suely Rolnik e Tatiana Roque). Hinderer integra o grupo de colaboradores de Paul B. Preciado (curador do programa público da documenta 14).

Recentemente, o campo da cultura tem virado um espaço de debate crítico e efervescente. Nota-se uma mudança de paradigma. A pergunta “O que é cultura?”, que os protagonistas da cultura hegemônica colocavam como fundamento do próprio campo, parece ser colocada hoje de um jeito ao mesmo tempo mais complexo e mais simples: “Cultura? Para quem? E de que cultura estamos falando?”. Com a finalidade de identificar essas transformações, é necessário rever as distintas “funções” que a cultura exerceu ao longo da história, na criação de grandes instituições culturais-artísticas como a Documenta de Kassel ou a Bienal de São Paulo e perceber a fundação de grandes formações ideológicas dentro do complexo colonialismo-modernidade, que vigoram no capitalismo contemporâneo.


Programa de formação

A EAV Parque Lage desenvolve um núcleo de Estudos curatoriais a partir das histórias das exposições, voltado a artistas e pesquisadores. Nesse sentido, tanto a Documenta quanto o Skulpter Projekte constituem estudos de casos importantes na compreensão da lógica curatorial de grandes mostras internacionais com periodicidade regular.

Com essa iniciativa, a EAV Parque Lage reitera o protagonismo de escolas livres que atuam como laboratórios de ideias e manifestações, estabelecendo um diálogo horizontal entre jovens artistas, estudantes e professores, a fim de estimular uma participação nos processos de produção simbólica de sentidos.

Estas bolsas-viagens irão permitir uma análise de três exposições em três cidades diferentes, oportunidade ímpar na fundamentação da disciplina Histórias das Exposições.


CRONOGRAMA (*) (**)

1 de março (quarta-feira)
Anúncio e divulgação do edital e seminário nas redes sociais, homepage da Escola de Artes Visuais do Parque Lage e do Goethe-Institut.

7 de março, das 19h às 22h (terça-feira) – Introdução
– Apresentação do seminário e da documenta por Lisette Lagnado (EAV Parque Lage) e Robin Mallick (Goethe-Institut).
– Palestra de Max Jorge Hinderer Cruz.

27 de março (segunda-feira), até às 20h
Entrega dos pré-projetos para seleção de 20 participantes do seminário, que poderão concorrer a uma bolsa-viagem.

07 de abril (sexta-feira)
Anúncio dos 20 selecionados a participar do seminário.

24 de abril (segunda-feira) Encontro 1
15h às 18h – Clínica: Lisette Lagnado
18h às 19h – Intervalo
19h às 21h – Artista convidada: Iole de Freitas

25 de abril (terça-feira) Encontro 2
15h às 18h – Clínica: Ricardo Basbaum
18h às 19h – Intervalo
19h às 21h – Artista convidada: Anna Maria Maiolino

26 de abril (quarta-feira) Encontro 3
15h às 18h – Clínica: Lisette Lagnado e Pablo Lafuente
18h às 19h – Intervalo
19h às 21h – Artista convidado: Maurício Dias (da dupla Dias & Riedweg)

27 de abril (quinta-feira) Encontro 4
15h às 18h – Clínica: Ricardo Basbaum e Pablo Lafuente
18h às 19h – Intervalo
19h às 22h – Projeção de filmes de Andreas Valentin dos anos 1970 sobre Hélio Oiticica e debate (a confirmar)

28 de abril (sexta-feira) Encontro 5
15h às 18h – Clínica: Ricardo Basbaum e Pablo Lafuente
18h às 19h – Intervalo
19h às 22h – Projeção do filme Boi Neon (2015) e debate com o artista e cineasta Gabriel Mascaro
 
8 de maio, até às 18h
Entrega do projeto final para concorrer a uma bolsa-viagem para documenta 14 (Atenas e Kassel) e Münster Skulptur Projekte.

12 de maio
Anúncio dos selecionados.

1 de julho a 15 de julho
Viagem a Atenas (Grécia), Kassel e Münster (Alemanha) via Frankfurt.

Datas a serem definidas em outubro
Jornadas abertas ao público, reunindo estudantes e professores que viajaram.
Apresentação das pesquisas e trabalhos realizados, com a presença de curadores e convidados da documenta 14.

(*) O Seminário tem atividades abertas ao público (palestras) e encontros fechados para participantes (clínicas). Sujeito a mudanças.
(**) As bolsas-viagem são gentilmente financiadas pelo governo alemão, através do Goethe-Institut do Rio de Janeiro.


CRONOGRAMA GERAL

01/03/2017 – Lançamento da convocatória e início das inscrições para o seminário de projetos
31/03/2017 – Encerramento das inscrições
07/04/2017 – Anúncio dos 20 (vinte) selecionados para participar do seminário de projetos
24/04 a 28/04/2017 – Período de desenvolvimento de projetos
08/05/2017 – Entrega dos projetos finais
12/05/2017 – Anúncio dos 2 (dois) bolsistas para o Prêmio Viagem
01 a 15/07/2017 – Viagens para Atenas, Kassel e Münster
Outubro (datas a serem definidas) – Jornadas públicas


INSCRIÇÕES
INSCRIÇÕES ENCERRADAS
Dúvidas e informações: documenta14.eavparquelage@gmail.com

Requisitos
1. Experiência com pesquisa e/ou organização de exposições;
2. Familiaridade com as diferentes linguagens da área de Artes;
3. Conhecimento de língua estrangeira, preferencialmente inglês;
4. Maior de 18 anos.

Processo seletivo
Para este fim, será constituída uma Comissão de seleção (três membros) que analisará o material enviado e escolherá os candidatos. O Comitê de seleção é soberano.

Anúncio da seleção
Os candidatos escolhidos serão comunicados por e-mail e por telefone no dia 07 de abril. O não comparecimento em até 48 horas na secretaria da EAV Parque Lage acarretará a substituição da vaga por um nome da lista de espera.


PARTICIPANTES

Andreas Valentin
Fotógrafo, pesquisador e curador. Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com uma pesquisa sobre a fotografia amazônica do alemão George Huebner (1862-1935). Mestre em Ciência da Arte pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e graduado em História da Arte e Cinema (Swarthmore College, Pennsylvania, EUA). É professor-adjunto da Universidade do Estado Rio de Janeiro. Em 2014/2015 realizou pesquisa pós-doutoral no Instituto de História da Arte da Freie Universität, Berlim, Alemanha sobre fotografia brasileira e alemã nos anos 1950/1960. Foi aluno e colaborador do artista Hélio Oiticica. É membro efetivo da Associação Brasileira de Antropologia que, em 2004, lhe concedeu o Prêmio Pierre Verger de Fotografia. Em 2015, foi vencedor do Prêmio Marc Ferrez de Fotografia da FUNARTE, com o projeto “Berlin<>Rio: Trajetos e Memórias”.

Anna Maria Maiolino (Scalea, Itália, 1942). Vive em São Paulo.
Frequentou o Ateliê de Ivan Serpa no Rio e participou dos movimentos Nova Figuração e Nova Objetividade Brasileira. Estudou no Pratt Graphic Center em Nova York (1968-71). Com ênfase no desenho e na materialidade do papel, também realiza obras em vídeo, fotografia, instalação e performance. Na escultura, faz uso recorrente da argila e encontrou na repetição do gesto um método para sua criação. Além de várias bienais, participou da dOCUMENTA (13), com curadoria de Carolyn Christov-Bakargiev.

Gabriel Mascaro (1983) Vive e trabalha no Recife, Brasil.
Artista e cineasta. Seus filmes e instalações foram projetados ou exibidos em festivais e eventos como La Biennale di Venezia – Orizzonti, IDFA, Locarno, Toronto, Rotterdam, Oberhausen, Clermont Ferrand, the Guggenheim, Videobrasil, MACBA- Museu de Arte Contemporânea de Barcelona, MoMA, Panorama da Arte Brasileira no MAM-SP e Bienal de São Paulo. Mascaro participou das residências artísticas do Videobrasil no Videoformes (FRA) e no Wexner Center for Arts (EUA). Em 2015 foi indicado Prêmio PIPA. Seus filmes ganharam mais de 50 prêmios internacionais e em abril de 2016 teve retrospectivas no Lincoln Center, em Nova York (EUA).

Iole de Freitas (Belo Horizonte, 1945). Vive no Rio de Janeiro.
Realizou exposições de destaque no Brasil e no exterior, como as Bienais de Paris (1975) e Veneza (1978). Dirigiu o Instituto Nacional de Artes Plásticas (1988-1989). Professora da EAV Parque Lage desde 1994, orienta grupos de análise da produção contemporânea. Sua pesquisa promove diálogos entre elementos arquitetônicos e o espaço expositivo, numa investigação da tridimensionalidade e das tensões do corpo, presentes em seu trabalho desde a década de 1970, na Body Art. Além de várias bienais, participou da documenta 12, com curadoria de Roger Buergel.

Maurício Dias (Rio de Janeiro, 1964). Vive no Rio de Janeiro.
Formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Maurício Dias trabalha em dupla com Walter Riedweg desde 1993, com quem desenvolve documentários e vídeo-instalações. Participaram da 24ª Bienal de São Paulo, com curadoria de Paulo Herkenhoff, e da documenta 12, com curadoria de Roger Buergel.

Pablo Lafuente (Santurtzi, 1976). Mora no sul da Bahia.
Pesquisador e curador, foi membro do equipe curatorial da 31ª Bienal de São Paulo (“Como […] coisas que não existem”) e curador de “A Singular Form” na Secession, Viena, ambos em 2014. Trabalhou como editor de Afterall e da coleção Exhibition Histories. Foi curador associado na Office for Contemporary Art Norway de 2008 até 2013. Integra a equipe curatorial da exposição “Dja guata porã: Rio de Janeiro indígena”, que inaugura no Museu de Arte do Rio (MAR) em abril próximo.

Ricardo Basbaum (São Paulo, 1961). Vive no Rio de Janeiro.
Artista, atua também como professor, pesquisador e crítico. Participou da formação de vários grupos (Dupla Especializada, Seis Mãos e Visorama, entre outros). Desde 1989, desenvolve o projeto Novas Bases para a Personalidade (NBP). Expôs na 25ª e 30ª Bienal de São Paulo (2002, 2012) e 20ª Bienal de Sydney (2016), entre outras. Participou da documenta 12 (2007), com curadoria de Roger Buergel. Professor Visitante da UChicago em 2013. Desde 2017, é professor da Universidade Federal Fluminense (UFF).


APOIO INSTITUCIONAL
logo-goethe-institut