Festival Ópera na Tela

Festival Ópera na Tela

Quarta temporada do Festival Ópera na Tela

Abertura
27 outubro . 19h30

27 outubro a 8 novembro
R$ 24 inteira | Aberto ao público
Programação completa operanatela.com
Platô da EAV Parque Lage


Integrado à agenda cultural carioca, o Festival Ópera na Tela, em sua quarta edição, retorna ao Parque Lage, na zona sul do Rio, exibindo 12 óperas inéditas e recentes (2017/2018) em um telão em uma tenda cristal ao ar livre montada especialmente para o evento. Entre 27 de outubro e 8 de novembro, o público poderá assistir montagens clássicas e célebres apresentadas em teatros de Paris, Milão, Roma, Barcelona, Praga, Berlim, Salzburgo e Bayreuth, entre outros grandes palcos líricos.
 
O festival dará ao público mais uma vez a oportunidade de se emocionar com os maiores cantores do mundo: com destaques este ano para Anna Netrebko (presente em três óperas: Aída, Macbeth e Andrea Chénier), Plácido Domingo (Macbeth), Aida Garifullina (Romeu e Julieta e La Bohème), Anja Harteros (Tosca) e o tenor brasileiro Atalla Ayan (La Bohème). Também estão presentes regentes lendários, como Riccardo Muti (Aída), Daniel Barenboim (Macbeth), Plácido Domingo (Don Giovanni), Riccardo Chailly (Don Pasquale e Andrea Chénier) e Christian Thielemann (Tosca e Tristão e Isolda).
 
Entre os destaques deste ano estão ‘Don Giovanni’, dirigida por Plácido Domingo, em uma reconstituição da regência de Mozart no Teatro dos Estados de Praga há 230 anos; ‘Tristão e Isolda’, apresentada no Festival de Bayreuth, evento concebido pelo compositor Wagner; ‘La Bohème’, em uma versão futurista que se passa na Lua, vista na Ópera Nacional de Paris, e ‘Carmen’, em uma montagem que reflete a crise de imigração e se passa na fronteira entre o México e os Estados Unidos.
 
Nessa edição, as obras ‘Boris Godunov’, ‘Don Pasquale’, ‘Turandot’, ‘Andréa Chenier’, ‘Tristão e Isolda’ e ‘Romeu e Julieta’ serão apresentadas pela primeira vez no âmbito do Festival.
 
Após as exibições no Parque Lage, os filmes do festival chegarão aos cinemas de mais de 20 cidades brasileiras, onde ficarão em cartaz até outubro de 2019.
 
No Rio, além da programação a céu aberto e nos cinemas, haverá uma masterclass de canto lírico com Raphaël Sikorski, renomado técnico vocal francês, responsável pelo treinamento dos principais nomes da ópera da atualidade. A masterclass será gratuita e acontecerá no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Ainda no Rio, acontecerão ações educativas coordenadas pelo maestro Ricardo Prado, especialista em educação musical. No ano passado foram oferecidas quatro sessões para cerca de 200 alunos de escolas públicas e particulares.  Este ano estão previstas 4 sessões, sempre no Cine Odeon Net Claro, na Cinelândia.
 
Com patrocínio master da Edenred, Ticket e do Sofitel Hotels & Resorts, Ministério da Cultura por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS, patrocínio da EDF Norte Fluminense, e copatrocínio BNP Paribas e MedRio, o espaço contará com cadeiras confortáveis, tela gigante, som e imagem de alta qualidade para proporcionar ao público uma experiência, mais uma vez, inesquecível.

Destaques da Programação
 ‘Don Giovanni’ é um dos principais destaques da programação da quarta edição do festival  Ópera na Tela. A récita, dirigida por Jiří Nekvasil, foi regida pelo famoso tenor lírico e maestro espanhol Plácido Domingo no Teatro dos Estados de Praga, em uma reconstituição perfeita da primeira regência de Mozart da peça de sua autoria, feita há 230 anos no mesmo local, quando este se chamava Teatro Nostitz. A produção levou cinco anos até sair do papel desde que Domingo a idealizou como uma homenagem ao compositor austríaco.
 
Neste ano, a mostra de filmes no Parque Lage exibirá pela primeira vez uma ópera apresentada no exclusivo Festival de Bayreuth, local concebido por Richard Wagner e que se tornou uma meta de peregrinação dos entusiastas de sua obra. O público poderá assistir ‘Tristão e Isolda’ dirigida por Katharina Wagner, bisneta do compositor. Isso sem a espera de até sete anos por um ingresso, como ocorre para as apresentações do festival na cidade alemã.
 
O tenor brasileiro Atalla Ayan poderá ser visto em uma versão inventiva passada na lua em ‘La Bohème’, no papel de Rodolfo, um dos protagonistas da história dos jovens artistas que vivem na penúria. A seu lado, a soprano australiana Nicole Carr, no papel de Mimi, e a russa Aida Garifullina, que cantou com Robbie Williams na abertura da Copa do Mundo da Rússia, no papel de Musetta. A montagem dirigida por Claus Guth e sob a batuta de Gustavo Dudamel, um dos principais regentes de sua geração, foi apresentada na Ópera Nacional de Paris.
 
A montagem de ‘Carmen’, dirigida por Valentina Carrasco ao ar livre nas Termas de Caracalla em Roma, transpôs o drama passional vivido pela cigana e o soldado Don José na fronteira entre o México e os Estados Unidos. A proposta é refletir sobre a crise de imigração e debater questões contemporâneas através de uma mise-en-scène moderna e engajada, porém respeitando fielmente a partitura original.
 
Entre as outras óperas da programação estão títulos conhecidos pelo grande público – com nova montagem – como ‘Romeu e Julieta’, de Charles Gounod, dirigida por Stephen Lawless e regida por Josep Pons, encenada no Grande Teatro do Liceu de Barcelona, com Aida Garifullina e Saimir Pirgu nos papéis-título; e ‘Macbeth’, de Giuseppe Verdi, apresentada na Ópera do Estado de Berlim, com direção de Harry Kupfer e regência de Daniel Barenboim, com Anna Netrebko e Placido Domingo interpretando o casal principal. Ambas são inspiradas na obra teatral de William Shakespeare.
 
Os amantes das obras italianas terão mais opções de óperas cantadas na língua do país onde o gênero surgiu. De Giacomo Puccini, o festival apresenta ‘Tosca’, encenada no Festival de Páscoa de Salzburgo e dirigida por Michael Sturminger, com Anja Harteros como protagonista; e ‘Turandot’, apresentada no Teatro Regio di Torino com direção espetacular de Stefano Poda. Há também ‘Aída’, dirigida pela cineasta iraniana Shirin Neshat no Festival de Páscoa de Salzburgo, com Anna Netrebko no papel-título; ‘Andrea Chénier’, dirigida por Mario Martone no Teatro Nacional da Baviera, e ‘Don Pasquale’, dirigida por Davide Livermore, numa encenação digna de Fellini, no Teatro alla Scala de Milão.
 
Já para os entusiastas das óperas cantadas em russo, a opção é ‘Boris Godunov’, de Modest Mussorgsky, obra emblemática da ópera russa, baseada em livro homônimo de Alexander Pushkin, que reflete a respeito da solidão do poder por meio do reino trágico de Bóris, czar de todas as Rússias entre 1598 e 1605. A peça lírica foi apresentada na Ópera Nacional de Paris, com direção de Ivan van Hove, regência de Vladimir Jurowski, e o famoso bass Ildar Abdrazakov no papel de Bóris.
 
Como em cada edição, o Festival 2018 convidará especialmente um artista lírico europeu para dar um recital exclusivo durante a noite de abertura do evento.

Confira a programação completa operanatela.com.