Prática do Artista: fios para labirintos

Prática do Artista: fios para labirintos

Até o fim do Mundo. Direção de Wim Wenders, 1991.

Professora: Mariana Manhães

2° semestre 2019
14 de agosto a 11 de dezembro
Quarta-feira, 10:00–12:00
R$ 350,00/mês

O título do curso faz referência ao processo de criação poética, seus labirintos e suas possibilidades de caminhos.
Sabemos o quanto o trabalho solitário de ateliê pode ser angustiante, levando-nos muitas vezes a passagens sombrias e becos sem saída. Portanto, a intenção do curso é promover um espaço de convívio e troca de ideias, a fim de apontar uma luz no fim do túnel. Acreditamos que, ao compartilhar as tensões e dúvidas com outras pessoas, fios são desenrolados, caminhos são desvendados e atalhos são conhecidos e iluminados, atenuando assim as tensões e solidões indesejadas. A forma de trabalhar é a seguinte: a cada encontro, um dos artistas participantes leva algum material que queira discutir. Esse material pode ser um projeto, um trabalho finalizado, imagens de alguma coisa em andamento, maquetes, ensaios fotográficos, esboços ou até mesmo fragmentos de uma ideia que ele ainda não sabe muito bem do que se trata – o importante é ter comprometimento com o próprio processo poético, seja lá ele qual for. A partir dessas apresentações, que terão a participação de todo o grupo, surgirão sugestões de pesquisa, referências, materiais e leituras, práticas de vivências, laboratórios improvisados e experimentações matéricas. Tudo isso com a intenção de aliviar a tensão (e, também, a solidão) do artista.

Conteúdo
A intenção é promover um espaço de convívio e troca de ideias entre os participantes do grupo, de maneira a ajudá-los a refletirem sobre oslabirintos e caminhos possíveis desuas poéticas. Assim sendo, o conteúdo é dinâmico e será definido de acordo com o interesse do grupo em cada uma das aulas. Todos os tipos e formatos de trabalho são bem-vindos.

Dinâmica
A cada aula, um artista do grupo apresentará suas ideias e projetos, que serão discutidos com a participação de todos.

Pré-requisitos
Ter um projeto artístico a ser discutido e aprofundado e comprometimento com o próprio trabalho.

Público-alvo
Artistas que queiram desenvolver e aprofundar sua prática.

Bibliografia
AIRA, Cesar. Um Acontecimento na Vida de um Pintor Viajante. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.
BACHELARD, Gaston. A Chama de uma Vela. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.
_________; A Poética do Devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
_________; A Terra e os Devaneios da Vontade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
_________; A Terra e os Devaneios do Repouso. São Paulo: Martins Fonte, 2003.
_________; A Poética do Espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
_________; O Ar e os Sonhos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
BALZAC, Honoré de. A Obra-Prima Ignorada. São Paulo: Iluminuras, 2012.
BORGES, Jorge Luis. O Aleph. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
_________; O Livro de Areia. Rio de Janeiro: Globo, 2001.
HERTZBERG, Ludvig. Jim Jarmusch: Interviews. Estados Unidos: University Press of Mississipi, 2013.
ISAACSON, Walter. Leonardo da Vinci. São Paulo: Intrínseca, 2017.
JENNINGS, Patricia. Georgia O’Keffee’s Hawai’i. New York: Bess Press, 2011.
KAFKA, Franz. A Construção; in: Um Artista da Fome / A Construção. São Paulo: Companhia das Letras,1998.
KIEFER, Anselm. Notebooks, Volume 1, 1998-99. Londres: Seagull Books, 2015.
LYNCH, David. Em Águas Profundas: criatividade e meditação. São Paulo: Gryphus Editora, 2015.
MARDER, Herbert; Virginia Woolf – A medida da vida. São Paulo: CosacNaify, 2011.
RILKE, Rainer Maria. Cartas a um Jovem Poeta. São Paulo: Globo, 2013.
SMITH, Patti. Só Garotos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
TARKOVSKI, Andrei. Diários 1970-1986. São Paulo: É Realizações, 2012.
TAVARES, Braulio (Org.). Contos Fantásticos do Labirinto de Borges. São Paulo: Casa da Palavra, 2003.
TOMKINS, Calvin. A Vida dos Artistas. São Paulo: Bei, 2009.
WILDE, Oscar. O Retrato de Dorian Gray. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1998.

Filmografia sugerida e não-obrigatória
Amantes Eternos. Direção de Jim Jarmusch, 2013.
Beleza Roubada. Direção de Bernardo Bertolucci, 1996.
Caravaggio. Direção de Derek Jarman, 1985.
Duna de Jodorowsky. Direção de Frank Pavich, 2013.
Frank. Direção de Lenny Abrahamson, 2014.
Groundhog Day. Direção de Harold Ramis, 1993.
Goya. Direção de Carlos Saura, 1999.
La Belle Noiseuse. Direção de Jacques Rivette, 1991.
Mr. Turner. Direção de Mike Leigh, 2014.
O Fim da Turnê. Direção de James Ponsoldt, 2016.
O Piano. Direção de Jane Campion, 1993.
O Último Retrato. Direção de Stanley Tucci, 2018.
Orlando. Direção de Sally Potter, 1992.
Paterson. Direção de Jim Jarmusch, 2016.
Pollock. Direção de Ed Harris, 2000.
The Limits of Control. Direção de Jim Jarmusch, 2009.

Mariana Manhães
Niterói, 1977. Vive no Rio de Janeiro.

Graduou-se em Psicologia pela UFF (2001) e concluiu Mestrado em Comunicação e Cultura pela UFRJ (2012). Sua formação artística aconteceu entre 1997 e 2005 na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Participou de exposições em diversos museus e galerias no Brasil e exterior, dentre os quais se destacam: MuBE (São Paulo), Bienal de Vancouver (Vancouver, Canadá), Shanghart Gallery (Xangai, China), The MattressFactory (Pittsburgh, EUA), Bozar Museum (Bruxelas, Bélgica), Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília), Martin-Gropius-Bau Museum (Berlim, Alemanha), Instituto Itaú Cultural (São Paulo), Instituto TomieOhtake (São Paulo), Museu de Arte Moderna (Rio de Janeiro), Museu de Arte Moderna (Salvador), Museu Vale do Rio Doce (Vila Velha), Galerie GP+N Vallois e Natalie Seroussi (Paris, França), entre outros. Apresentou individuais na Galeria Múltiplo (Rio de Janeiro, 2017), Paço Imperial (Rio de Janeiro, 2013), Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro, 2010) e Museu de Arte Contemporânea (Niterói/RJ, 2007). Dentre os prêmios que recebeu, destacam-se: Prêmio Marcantônio Vilaça – FUNARTE (2015); Vancouver Biennale Residency Program (2014); Bolsa Funarte de Estímulo às Artes Visuais 2013 – FUNARTE (2013),Salão de Goiás (2006), Salão da Bahia (2005). Em 2017 foi finalista do Prêmio CNI SESI MarcantônioVilaça (2017).

Site da artista: www.marianamanhaes.com