ARTISTAS E EDUCADORES 2019

ARTISTAS E EDUCADORES 2019

APRESENTAÇÃO
PROGRAMAÇÃO
ARTISTAS E EDUCADORES

› Edições anteriores

Professores do Parquinho Lage

Alexis Zelensky – Cineasta, formado em matemática pela Université Paris Dauphine (2006) e em Ciências políticas pela Universidad Católica de Valparaíso-Chile (2007). Dirigiu documentários em diferentes países como França, Togo, Niger, Rússia, Chile e Brasil. Alguns de seus filmes estão em festivais internacionais e são difundidos em canais de televisão como TV5Monde, CineBrasil TV e Canal Futura. Atuou como professor de cinema para crianças na Cinémathèque Robert Lynen (2013, Paris). É professor do Parquinho Lage.

Bruno Balthazar – Formou-se em Artes cênicas pela Uni-Rio em 2001 e desde então atua como arte-educador. É integrante do Solar dos Abacaxis e do coletivo de artes Rebola onde atua como pesquisador, Dj e produtor. Pesquisador apaixonado por mitologia e cultura afro-brasileira.”

Daniela Seixas – Artista e professora. Mestre em “Processos artísticos contemporâneos” e licenciada em “Artes visuais” pela UERJ. Atua nos cursos de crianças da EAV desde 2011, no espaço Capacete (projeto Pequeno Laboratório, em 2017) e no CAp-UERJ (desde 2015). Participou de exposições como: In memoriam (Caixa Cultural – Rio de Janeiro), 10ª Bienal do Mercosul: Mensagens de Uma Nova América (Usina – Porto Alegre), Deslize (MAR – Rio de Janeiro), Through the surface of the page (DRCLAS, Harvard University – Massachusetts), City as a process (Parallel program, 2nd Ural Industrial Biennial of Contemporary Art – Rússia), Prêmio EDP nas Artes (Instituto Tomie Ohtake – São Paulo), entre-vistas (Programa Aprofundamento EAV Parque Lage – Rio de Janeiro); e as individuais: A riscar (Paço das Artes – São Paulo), Drawing error (Zip’up – São Paulo), Como habitar palavras ou outros objetos (Flip – Sesc Paraty) e Tarefas rarefeitas (Galeria Ibeu – Rio de Janeiro).

Deise Alcantara – Estuda círculos holísticos xamânicos, por meio da expansão da consciência no contato com a natureza, com o sagrado e de plantas mestras. Formada em Artes Visuais pela UERJ e Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Cursando Mestrado em Arte, Educação e Currículo pelo CAp-UERJ. Professora na Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro e professora substituta de Design no CAp UERJ. Idealizadora, Organizadora e Mediadora na Jornada Arte- Pedagógica em Escolas do Município do Rio de Janeiro e UFRJ. Recebeu Moção de Reconhecimento por serviços prestados com excelência na Prefeitura do Rio de Janeiro pela câmara de vereadores do Rio de Janeiro em 2018. Primeiro Lugar no Concurso Cultural “CINE CURTA”, promovido pela Secretaria Municipal de Educação em 2017.

Fernanda Zerbini – É artista e arte educadora. Pesquisa sobre criança e natureza, a criança no ateliê e na floresta. Fez a formação de educadores na Casa Redonda (São Paulo, 2017) e a formação de Educação Viva e Consciente na Escuela Viva Del Bosque com Ivana Jauregui (Uruguai, 2017). Em 2018, frequentou as jornadas sobre desescolarização no Amalaya com Ana Thomaz e fez o curso Raízes com Gandhy Piorski. Fez cenografia e atividades para Fábula e para Editora Cobogó através do livro Arte Brasileira para Crianças entre 2016 e 2018. No Rio de Janeiro foi inspiradora no Espaço CRIA (2016-2017). Atualmente acompanha a Escola Ciranda (Cotia, SP), é professora no parquinho lage, trabalha em projetos de educação infantil e realiza oficinas de arte para crianças em galerias de arte e ateliês.

Filipe Machado – Cientista ambiental (UNIRIO), investiga as relações entre arte, ciência e tecnologia. Iniciou sua formação em artes na EAV Parque Lage em 2011, projetista em Máquinas Navais, pesquisador da ciência livre, cofundador do pequenoLAB, educador ambiental e professor de marcenaria e biotecnologias para crianças e jovens.

Julia Saldanha – Artista, graduada em arquitetura e urbanismo pela Escola da Cidade (São Paulo, 2011), completou seus estudos na EAV do Parque Lage, no Ateliê Piratininga (SP) e no Espaço Cenográfico (SP). Atua nas áreas de cenografia, direção de arte, ilustração e arte educação. Foi monitora no curso Experiências Gráficas na EAV Parque Lage e integra o coletivo Desenhação. É professora no Parquinho Lage desde 2017.

Kammal João – Artista visual, graduado em comunicação visual pela PUC-Rio, com pós graduação em Psicomotricidade somática, pelo instituto Anthropos, RJ. É professor de ilustração na Escola Parque, e como facilitador do projeto Cadernos & Caminhos, leva pequenos grupos pelo interior do Brasil, investigando através do desenho o registro sensível e gráfico dessas experiências. Publicou o projeto autoral “O tempo sem tempo” pela A Bolha editora, projeto que reúne as mais de 150 cartas ilustradas enviadas a seu irmão Amir de 7 anos ao longo de uma viagem pelo Brasil. Como ilustrador, publicou dentre outros os livros infantis ” O mistério do coelho pensante” de Clarice Lispector pela editora Rocco e o “Cantigas por um passarinho à toa” do Manoel de Barros pela Companhia das letrinhas.

Luana Vieira Gonçalves – Artista educadora, formada em Artes visuais pela UNICAMP (Campinas, 2009), fez o master em Arte Contemporânea pela Université Paris VIII (Paris, 2014). Foi educadora na Galerie des enfants no Centre Georges Pompidou (2010-2014, Paris). Coordenou um intercâmbio entre crianças togolesas e brasileiras (2015, Togo). Trabalhou como educadora no projeto Casa Guadalupana, Instituto Padre Haroldo (Campinas, 2009) e no projeto Curumim, SESC-SP (São Paulo, 2016). É supervisora do Parquinho Lage onde é professora. Atua como professora de artes no Instituto Pró-Saber e integra o coletivo Desenhação.

Marrytsa Melo – Artista visual, educadora e pesquisadora. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes – Estudos dos Processos Artísticos (UFF), ex-aluna da EAV Parque Lage. É fundadora e editora da nano editora e co-fundadora do laboratório de arte, ciência e tecnologia pequenoLAB. Desde 2010 investiga meios, métodos e suportes analógicos e digitais. Participou de exposições coletivas, festivais e residências artísticas no Brasil e no exterior.

Patricia Alves Dias – Cineasta e educadora. Formada em Jornalismo pela UFRJ (1992) e Mestre em Educação pela UERJ (2014). É cineasta especializada pelo National Film Board of Canada e pela Embrafilme. Foi artista residente nos Estúdios de Cinema de Barrandov Jirí Trnka, na República Tcheca. Tem especialização em infância, juventude e cultura contemporânea pelo Proped/UERJ e atua como criadora e produtora de filmes para/com crianças e jovens desde 1995. Foi produtora-criadora da série de filmes para crianças Juro que Vi (Japan Prize) e Carta Animada pela Paz (Prêmio UNESCO Melhores Práticas de Mídia nas Escolas da América Latina) na MULTIRIO. Recebeu os prémios “Amiga do cinema infantil” no FICI e “Amiga da criança” na Mostra de Cinema de Florianópolis.

Pedro Rocha – Poeta, editor na Dantes Editora e professor na EAV – Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Publicou os livros “Escrita de Galo”(coleção sec.xxi – 2002) ; “Onze” (Azougue Editorial, 2002); “Chão Inquieto”(Editora 7Letras – 2010); “Experiência do Calor” (Dantes Editorial, selo: Lábia Gentil – 2014); “Ogivas de Urgência” (Editora 7Letras, selo: Megamini – 2015); NERVO VERSO (Independente – 2018). Integra o coletivo Trëma. Fundador do CEP 20000. Idealizador do grupo performático FalaPalavra.

Pri Fiszman – Artista plástica, formação em Desenho pela Camberwell College of Arts. Trabalha como artista e professora de artes. Traça pontos entre jogos, cidade e materiais. É atraída por inversões e mudanças de perspectivas, transações que são constantes para crianças.

Regina Neves – Educadora e Terapeuta Transpessoal e Psicocorporal pelo sistema Rio Abierto. Residiu durante 12 anos (1998/2010) em Montevidéu, integrando o corpo docente do Espacio de Desarrollo Armónico – Río Abierto Uruguay, dirigido por Graciela Figueroa (fundadora do Grupo Coringa no Rio de Janeiro (1970/80). No Rio de Janeiro, trabalha durante 10 anos (1970/1980) na Escola EDEM como professora na área de Educação Infantil e Ensino Fundamental, integra a área de artes desenvolvendo vários projetos e coordena as turmas de Educação Infantil. Atualmente atua coordenando grupos de Harmonização e Dança para adultos e no projeto Parquinho Lage como professora da oficina Poesia e Corpo junto ao poeta Pedro Rocha. Trabalha com adultos maiores no SESC- RJ.

Rodrigo Maré – Músico percussionista, ator e arte-educador. Integra atualmente o grupo teatral Cia Marginal e a banda instrumental Zé Bigode Orquestra. Nos últimos anos, atuou e executou a trilha sonora em uma série de espetáculos teatrais, entre eles os espetáculos da Cia Marginal, com direção de Isabel Penoni e da CÍA DOS PRAZERES, com direção de Lucas Weglinsk. Já se apresentou em teatros, e festivais em São Paulo, Curitiba, Nova Olinda, João Pessoa, Florianópolis, Brasília, Salvador, Rio Branco, e em Portugal, nas cidades do Porto e Lisboa. Como músico percussionista vem participando de shows de artistas, grupos e bandas como, Gilberto Gil (Refavela40), TRAMUNDO, Clara Anastácia, Thiago França (Coisas Invisíveis), Céu (Catch a Fire), Ava Rocha (Trança), entre outros. Em 2015 criou o projeto Panderolando Maré, de arte educação musical, que visa desenvolver atividades artísticas dentro do complexo da maré e por outros espaços da cidade, tendo a troca de experiências e a circularidade como principal eixo metodológico.

Roberto França – Músico instrumentista, cantor, arte-educador, integrou a diversos corais do Rio de Janeiro, foi membro da Ass. de Canto Coral do Rio de Janeiro e do Coral da Pro Arte onde atuou como solista, estudou canto lírico e Licenciatura em Musica na UFRJ. Realiza projetos artísticos a mais de 15 anos na Maré, tendo contribuído na formação musical de jovens e seu ingresso no mercado de trabalho. Criou a Orquestra de Flautas da Maré onde se apresentou em diversos espaços culturais do Rio de Janeiro, tendo gravado um cd em 2004. Seu trabalho sempre tem como objetivo valorizar e estimular a cultura popular brasileira em suas diversas manifestações em nosso país. Como um educador acredita que só ensina quem aprende através das trocas que se dá ao longo do processo ensino / aprendizado. Como artista acredita na arte que agrega, que preserva nossas raízes e faz pensar em possibilidades de sermos um pouco melhor a cada dia.

Zoé Gruni – Artista plástica graduada em Pintura na Accademia di Belle Arti di Firenze, Itália, dedica-se a arte contemporânea desde 2001. Os trabalhos multimídia dela foram exibidos em muitas exposições na Itália, França, Bélgica, Inglaterra, Bulgária, Alemanha, Estados Unidos e Brasil. Foi artista residente na FAAP de São Paulo e em Raid Projects – Estside International de Los Angeles. Trabalhou com a Galeria Progetti no Rio de Janeiro. Atualmente colabora com a Galerie Depardieu de Nice na França e o trabalho dela é representado na Itália pela Galleria Il Ponte de Florença. É professora da EAV (Escola Artes Visuais) do Parque Lage, Rio de Janeiro, onde administra seus próprios cursos e oficinas.

Educadores do Programa educativo – Uma Escola dentro da escola

Andressa Rocha – Bacharelanda em História da Arte pela Escola de Belas Artes da UFRJ, desenvolve pesquisa acerca da presença do legado antropofágico no fim do projeto moderno e a continuidade e inflexão diferencial na obra de artistas afrobrasileiros. Realizou Estágio de Pesquisa no Museu de Arte Moderna – MAM Rio, foi monitora no Laboratório de Pesquisa e Prática de Texto em Arte na EAV Parque Lage e trabalha com processos de mediação em arte.

Antonio Gonzaga Amador – Rio de Janeiro, 1991. Graduação em Pintura (EBA/UFRJ) e Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes. (PPGCA/UFF). Artista visual e educador. Possui o interesse em procedimentos e práticas performáticas que pensem o estudo do corpo e a criação de metodologias de comportamento. Desde 2015 é funcionário da Amador e Jr. Segurança Patriomanial Ltda.

Nívea Santana – É atriz, artista educadora e contadora de histórias. Formada em Geografia pela UERJ e em Artes Dramáticas pela ETE de Teatro Martins Pena. Atua em espetáculos, performances, intervenções literárias e contações de histórias. Como artista educadora atuou em Museus e Centros Culturais como CCBB, Museu Janete Costa de Arte Popular, Galpão Bela Maré, Museu do Ingá, entre outros. Integrante e co-fundadora da cia. Ávida de Teatro, Comboio de Corda cia. de Teatro e do Coletivo Vento Sutil que produz o Festival Carioca de Contação de Histórias, desenvolve suas contações a partir da investigação de contos de tradição oral, poesias e histórias de autores consagrados clássicos e contemporâneos.

Rodrigo Ferreira – Vive no Rio de Janeiro. Atua desde 2012 em diferentes instituições culturais, constituindo seu fazer em educação e arte no Museu de Arte do Rio (MAR), Biblioteca Parque Estadual e Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB/SP). Se interessa pela prática artística e educativa ligada à infância, ao brincar e à música.

Convidados

Caroline Valansi – É artista visual, professora e também trabalha com saúde mental na Casa Jangada. Sua produção artística transita entre a palavra, o espaço e a ficção. Suas obras sempre foram enraizadas em seu forte interesse em traços coletivos e histórias íntimas. Leciona desde 2012, dando aulas de artes e fotografia para crianças, jovens e adultos. Foi professora de fotografia do Ateliê da Imagem por 3 anos, dá cursos de férias na EAV Parque Lage e organizou O Pequeno Laboratório, aulas de artes para crianças no Espaço Capacete. Individual: Carne Viva ( Subsolo Laboratório de Arte, Campinas, 2019), Corpo Cinético (CCSP – Centro Cultural São Paulo, SP, 2019) e Memórias Inventadas em Costuras Simples (CCJE – Centro Cultural Justiça Eleitoral, RJ, 2009). Já participou de exposições coletivas no Brasil, Cuba, Portugal, França, Colômbia e Argentina. Fez residência no Taller Experimental de Grabado (Havana, 2019), Casa Duna (Atafona, 2018), HANGAR Centro de Investigação Artística (Lisboa, 2018), CAPACETE (Rio de Janeiro, 2015), Espaço Fonte (Recife, 2014), Terra UNA, (Minas Gerais, 2010), e Casa Tomada, Ateliê Aberto #2 (São Paulo, 2010). Seus trabalhos fazem parte das coleções do Museu de Artes do Rio (MAR), Museu Nacional de Brasília, MAM – RJ na coleção Gilberto Chateaubriand, Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, Bienal de La Habana e Biblioteca do Instituto Moreira Salles (IMS-SP). Tem 2 publicações lançadas: Sempre um bom Filme e o álbum de figurinhas Boa Para ambos de 2015. Faz parte da Cooperativa de Mulheres Artistas (@cooperativademulheresartistas) e já fez parte do coletivo OPAVIVARÁ! de 2007 a 2014.

João Penoni – Nasceu em 1983, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Graduado em Design pela PUC-Rio, complementou sua formação na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Há cerca de 10 anos, realiza um trabalho de investigação sobre o corpo, relacionando-o com o espaço e a luz, através de diferentes meios, como a fotografia, o vídeo e a performance. Participou de exposições coletivas como From the margin to the edge, no Somerset House (Londres, UK, 2012); Quase Casais, no Espaço Maus Hábitos (Porto, Portugal, 2011); Zonas de Contato, no Paço das Artes (São Paulo, Brasil, 2011). Em 2012 participou da Rio Occupation London, apresentando trabalhos no Battersea Arts Centre e V22. Neste ano, também, apresentou seu projeto Incorpóreo, no Festival Panorama 2012. Em 2013, realiza sua primeira exposição individual, Lúmens – A Luz na Obra de João Penoni, no Espaço Furnas Cultural, Rio de Janeiro. Em 2014, apresentou a performance Lúmen, dentro da exposição Le Parc, Lumière, na Casa Daros e fez sua segunda exposição individual, Átman, no Espaço Cultural Sérgio Porto, como parte do Foto Rio.

Maria Laet – Nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, em 1982, lugar onde vive e trabalha. Mostra seu trabalho individualmente desde 2010. Participou das Bienais 33a Bienal de São Paulo: Afinidades Afetivas (São Paulo, 2018); e 18th Biennale of Sydney: All Our Relations (2012); de exposições individuais como Quase um nada, OTIUM#4 (Institut d’art contemporain, Villeurbanne/ Rhône-Alpes (IAC), França, 2019); e de exposições coletivas como I Remember Earth (Magasin des Horizons, França, 2019); Cosmogonies, au Gré des Éléments (MAMAC, Nice, 2018); Video Art in Latin America (LAXART, Los Angeles,2017); La Vie Aquatique (Musée Régional d’ArtContemporain, Occitanie/Méditerranée, França, 2017); The Valise (The Museum of Modern Art, Nova York, 2017); Tangentes (MSK, Gent, Bélgica, 2015); Encruzilhada (Parque Lage, Rio de Janeiro, 2015); Rumors of the Meteore (49 Nord 6 est – Frac Lorraine,Metz, França, 2014); Everydayness (Wyspa Institute ofArt, Gdansk, Polônia, 2014); From the Margin to theEdge (Somerset House, Londres, 2012); Convite à Viagem (Rumos Itaú Cultural, São Paulo, 2012); e O Lugar da Linha (Museu de Arte Contemporânea de Niterói e Paço das Artes em São Paulo, 2010). Sua obra integra coleções do MAM, Gilberto Chateaubriand, Rio de Janeiro; Museu de Arte Contemporânea de Niterói; 49 Nord 6 est – Frac Lorraine, Metz, França; MSK, Gent, Bélgica; AGI Verona, Itália; Colección Patricia Phelps de Cisneros; e MoMA, Nova York.

Pâmela Carvalho – Educadora, gestora cultural, comunicadora e pesquisadora ativista das relações raciais e de gênero. Mulher negra, favelada, historiadora, professora de História, educadora, produtora cultural e Mestre de Cerimônias. É gestora cultural com foco na Maré. É mestranda em Educação (PPGE/UFRJ). É bolsista do Projeto Personagens do Pós Abolição e faz parte do grupo de pesquisa Intelectuais Negras/UFRJ. Integra os grupos “Companhia Mariocas”, “Tambores de Olokun” além de ser membra-fundadora do Quilombo Etu, que trabalha a cultura popular a partir de uma perspectiva de educação antirracista.

Sabrina Rodrigues – Apelidada pelos amigos da escola de MC Leão, Sabrina tem 13 anos, gosta de cantar, improvisar, dançar, encenar e contar histórias. Participa de grupos de teatro na Rocinha e em 2018 participou de atividades do parquinho lage através da parceria com o CIEP-Presidente Agostinho Neto, sua antiga escola.

Thelma Vilas Boas – Atuou em espaços independentes como o CAPACETE (RJ) e SARACVRA (RJ). Participou em 2016 do Move Arts Japan, iniciativa do curador japonês Masato Nakamura para ativar espaços de cultura em regiões periféricas do Japão. Em 2019 participou do projeto Casa do Povo: uma instituição do comum, em São Paulo e foi professora convidada no curso DESILHA na cidade do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. Atualmente é coordenadora das práticas artísticas pedagógicas na Ocupação Bar Delas (RJ) e idealizadora da Escola Por Vir no âmbito das atividades da Associação Cultural Lanchonete <> Lanchonete.

Zie e família: Lara Corrêa, Clarissa Diniz e Luiz Guimarães – As pessoas da nossa família são de lugares distintos. Quando por acaso se encontraram no Rio de Janeiro, resolveram pregar-se umas nas outras e inventar um modo de viver entre cidades, sotaques, culturas e histórias diferentes. Nós também somos PREGATURAS!