Laboratório de pesquisa e prática de texto em arte

Laboratório de pesquisa e prática de texto em arte

Professora: Fernanda Lopes
1º semestre
07 de março a 28 de junho
Turma 1: Quarta-feira, 10:00–12:00
Turma 2: Quinta-feira, 19:30–21:30
R$ 380,00/mês

Objetivos
A partir da visita a exposições em cartaz na cidade, o curso visa estimular a prática da escrita assim como a discussão sobre aspectos das produções artística e crítica, além das possibilidades do uso do texto no campo artístico.

Conteúdo
A partir das exposições visitadas em grupo ou individualmente, serão abordados temas sobre história da arte e produção de artísticas e críticos de arte, nacionais e estrangeiros. Questões levantadas durante a visita ou durante a realização e discussão dos textos sobre as exposições também serão desenvolvidas em sala de aula.

Dinâmica
Curso teórico e prático ministrado de maneira essencialmente expositiva, tendo como ponto principal a visita a exposições em cartaz na cidade e a produção de textos a partir delas, contando com o apoio de vasto material iconográfico, além de bibliografia complementar para consulta e pesquisa individual.

Bibliografia
ARGAN, Giulio Carlo. Arte e Crítica de Arte. Portugal: Estampa, 1995
DUARTE, Paulo Sergio. Arte Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Instituto Plajap, 2008.
FABRIS, Annateresa & GONÇALVES, Lisbeth Rebollo (org). Os lugares da crítica de arte. São Paulo: ABCA: Imprensa Oficial do Estado, 2005.
FERREIRA, Gloria (Org). Crítica de Arte no Brasil: Temáticas Contemporâneas. Rio de Janeiro: Funarte, 2006.
OBRIST, Hans Ulrich. Uma breve história da curadoria. Rio de Janeiro: BEI, 2010.

Fernanda Lopes
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação da Escola de Belas Artes da UFRJ, Fernanda Lopes atua como curadora assistente do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e professora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. É organizadora, ao lado de Aristóteles A. Predebon, do livro Francisco Bittencourt: Arte-Dinamite (Tamanduá-Arte, 2016), e autora dos livros Área Experimental: Lugar, Espaço e Dimensão do Experimental na Arte Brasileira dos Anos 1970 (Bolsa de Estímulo à Produção Crítica, Minc/Funarte, 2012) e “Éramos o time do Rei” – A Experiência Rex (Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça, Funarte, 2006). Entre as curadorias que vem realizando desde 2008 está a Sala Especial do Grupo Rex na 29a Bienal de São Paulo (2010). Em 2017 recebeu, ao lado de Fernando Cocchiarale, o Prêmio Maria Eugênia Franco da Associação Brasileira dos Críticos de Arte 2016 pela curadoria de exposição Em Polvorosa – Um panorama das coleções MAM-Rio.