EAV Parque Lage

Palavra impressa

Palavra impressa

Regina Neves. Sem título, 2019.

Professores: Júlio Castro e Pedro Rocha

Curso Semestral 2020.1
09 de março a 22 de junho
Segunda-feira, 14:00–17:00
R$ 1.520,00 ou 4 parcelas de R$ 380,00
Taxa de material: R$ 50,00

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
Todos os alunos devem pagar a taxa administrativa anual. No caso dos alunos que realizarem o pagamento do curso on-line, a taxa administrativa anual no valor de R$100,00, deverá ser paga pelo aluno no dia que vier pegar seu comprovante de matrícula no curso, antes de entrar na aula, diretamente na secretaria da escola.

Palavra Impressa busca desenvolver as possibilidades da poética da palavra no espaço do papel e seus desdobramentos como livro objeto, cartaz etc. Investigar o aprofundamento do poema e até mesmo de uma única palavra através dos procedimentos da gravura. Ao instrumentalizar os participantes da oficina da palavra impressa com as técnicas da gravura, criando matrizes e formas de gravar alternativas, ampliamos as bordas do conteúdo escrito e insuflam-se camadas na comunicação. Com variáveis diversas e toda a possibilidade de invenção, a gravura adiciona intenções distintas a um mesmo texto como fosse a própria oralização da escrita.
Imagem narrada, narrativa gravada.

Conteúdo
Desenvolver todos os aspectos da comunicação na palavra impressa. As cores, o tamanho, a geografia das formas, da grafia, da tipologia da utopia do diálogo entre forma e conteúdo como diferentes vozes resultantes no objeto final. Os caminhos entre a narrativa lírica do texto e a materialidade do verso impresso no papel, na pele da cidade ou onde mais quisermos. O objeto final será uma publicação coletiva a partir da produção de imagens e textos impressos com matrizes elaboradas pelos participantes. A oficina de gravura funciona como suporte operacional do trabalho.

Dinâmica
1ª etapa
Conversa – debate – planejamento

2ª etapa
O grupo irá experimentar recursos de xilogravura, cologravura (matrizes em papel) e materiais pesquisados pelo grupo em práticas semanais na oficina de gravura de modo a solucionar questões surgidas no desafio proposto pelo curso. Pesquisa sobre a relação entre poesia e visualidade. Investigar e desenvolver o discurso/desejo que cada estudante encontrará na voz da madeira e de alguns materiais alternativos. Encontros para mostrar experiências similares e complementares de outros artistas.

3ª etapa
Impressão das imagens e montagem da peça-poema.
Debate e exibição do trabalho realizado.

Referências
STEIN, Gertrude. Para fazer um livro de Alfabetos e Aniversários. São Paulo: Editora Iluminuras, 2017
DE CAMPOS, Augusto. Viva Vaia. Poesia 1949-1979. São Paulo: Editora Livraria Duas Cidades, 1979
PAZ, Octavio. Signos em Rotação. São Paulo: Editora Perspectiva, 1976
TRINDADE, Solano. Canto Negro. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2006
MAIAKOVSKI, Vladimir. Poemas. Ed. Visor Alberto, 1973
LISSITZKY, Lazar. Obras Visuais.

Júlio Castro
Formado em gravura pela UFRJ com passagem pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage e UFRGS em Porto Alegre, dedica-se à produção artística desde os anos noventa. Participou das mostras coletivas A Paixão do Olhar MAM/RJ; Republicar Museu da República-RJ (1993); da XV ESTAMPA – Salão Internacional de Gravura e Edições de Arte Contemporânea em Madrid (2007); Plaisir d’Offrir#2 – Galeria Dagmar De Pooter / Antuérpia, Bélgica (2009); RioXCórdoba, Museu Emílio Caraffa, Argentina (2011), entre outras. Individualmente expôs no Rio de Janeiro, Pelotas, Porto Alegre, em Lisboa no Centro Português de Serigrafia (2007) e em Bruxelas no ARS117 (2009), espaços em que também fez residência artística como artista convidado. Foi membro do Conselho Curador do Espaço Cultural de FURNAS, RJ (2007), idealizador e coordenador do projeto Arte de Portas Abertas (1997/2007), do Prêmio Interferências Urbanas (2000/2002) e Jovens Aprendizes (2001/2002). Coordena o Estúdio Dezenove, espaço dedicado à arte contemporânea localizado em Santa Teresa no Rio de Janeiro e onde atualmente conduz o Núcleo Magliani – Centro de referência da obra pintora gaúcha Maria Lídia Magliani (Pelotas,1946- Rio de Janeiro, 2012) e o projeto Vitrine Efêmera (1998/2019), que convida artistas para intervenções site specific na vitrine do Estúdio Dezenove.

Pedro Rocha, 1976 – Rio de Janeiro.
Reside atualmente no Rio de Janeiro. Poeta, editor na Dantes Editora e professor na EAV – Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Publicou os livros “Escrita de Galo” (coleção SEC. XXI – 2002) ; “Onze” (Azougue Editorial, 2002); “Chão Inquieto”(Editora 7Letras – 2010); “Experiência do Calor” (Dantes Editorial, selo: Lábia Gentil – 2014); “Ogivas de Urgência” (Editora 7Letras , selo: Megamini – 2015); NERVO VERSO (Independente – 2018). Integra o coletivo Trëma. Fundador do CEP 20000. Idealizador do grupo performático FalaPalavra. www.pedrorocha.site