EAV Parque Lage

Pintura além do quadro

Pintura além do quadro

Studio Travellero, Túnel. Acrílica sobre caixas de papelão, 2016.

Professor: Bernardo Magina

Contínuo 2020
05 de agosto a 09 de dezembro
Quartas, de 14h às 17h
R$ 380,00/mês
 

Os cursos contínuos acontecem de janeiro a dezembro e ficam abertos sem interrupção. É possível realizar inscrição para esses cursos a qualquer momento do ano na secretaria da escola.

PINTURA, PROCESSOS ARTÍSTICOS, HISTÓRIA DA ARTE

SOBRE
A versão online do curso se consolidou ao longo do primeiro semestre deste ano como um projeto de pesquisa do professor. Apresenta tópicos da pintura e do desenho que perpassam diferentes períodos históricos no formato de aulas expositivas. As aulas têm uma visão processual da história da arte, trazendo à tona experiências, vivências e dificuldades dos artistas e as soluções encontradas pelos mesmos para lidar com elas. Ao término da parte expositiva, há proposições de exercícios para serem realizados em aula e em casa.

CONTEÚDO
Processos de artistas de diferentes períodos históricos analisados de modo transversal, ou seja, cruzando influências, pesquisas e identificando pontos de contato, mas, também, as diferenças fundamentais. Apesar das experiências de pintores e desenhistas ser o fio condutor das aulas, não nos limitaremos somente à elas, haja vista as possibilidades contemporâneas de linguagens múltiplas.
Aulas serão apresentadas pelo professor com auxílio de slides, mas com constante participação da turma através de comentários e perguntas. A participação do grupo é fundamental para condução dos objetos de estudo da turma. Exercícios referentes aos tópicos analisados serão propostos ao longo do período do curso.

DINÂMICA
Aula por videoconferência
Exercícios semanais com acompanhamento coletivo em aula

PÚBLICO
Indicado para pessoas interessadas em desenvolver processos artísticos e pessoas com processos artísticos em andamento.

REFERÊNCIAS
BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BAUDELAIRE, Charles-Pierre. A modernidade de Baudelaire. In: O pintor da vida moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BAUDRILLARD, Jean. (Brasil). Kool Killer: ou a Insurreição pelos signos. In: Rizoma.net, Artefato, 28 ago. 2002, p. 315-324. Disponível em:
<http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_artefato.pdf>. Acesso em: 23 jul. 2016.

BOGOTÁ Graffiti . Disponível em: <http://www.bogotagraffiti.com/>.

BRADLEY, Fiona. Surrealismo. São Paulo: Cosac Naify, 1999.

BRITO, Ronaldo. Experiência crítica. Org. Lima, de Sueli. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

CANCLINI, Garcia Nestor. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2006.

CANTANHEDE, Rosane. Grafite/pichação: circuitos e territórios na arte de rua. 2012. Dissertação (Mestrado em Ciência da Arte) – Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins, 2007.

CRUZ, José Maria Dias da. Cromatismo Cezanneano. Florianópolis: Ed. Autor, 2010.

CRUZ, José Maria Dias da. Da cor ao cinza: rompimentos, revelações e passagens. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2001.

DA VINCI, Leonardo. Tratado de pintura. Trad. Angel González García. 2. ed. Madrid: Ed. Akal, 1993.

DEBORD, Guy. Teoria da Deriva. Disponível em:
<http://www.rodrigomedeiros.com.br/pos/download/oriana/05-TeoriaDaDeriva.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2016.

DIEBENKORN, Richard. “10 notes to myself on beginning a painting”. Disponível em:
<https://www.royalacademy.org.uk/article/diebenkorn-ten-rules>. Acesso em: 03 abr. 2016.

DORAN, Michael (Ed). Sobre Cézanne: conversaciones y testimonios. Barcelona: Gustavo Gili, 1980.

DUCHAMP, Marcel. Le Processus Créatif. In: Duchamp du signe. Paris: Flammarion, 1994. p. 187-189.

FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília (Org.). Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

FERREIRA, Glória; COTRIM, Cecília. Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

FERRO, Lígia. O grafitti mediador: reflexões sobre as metamorfoses da prática em três cidades. In: VELHO, G.; DUARTE, L. F. (Org.). Juventude contemporânea: culturas gostos e carreiras. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2010. 240 p.

FROTA, Lélia Coelho. Guignard. Rio de Janeiro: Campos Gerais, 1997.

GASTMAN, Roger et al. Street World: urban culture and art from five continents. Barcelona: Océano, 2007.

GEIGER, Anna Bella. Artista e Flâneur. Revista O Globo, Rio de Janeiro, 4 out. 2015.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

KLEE, Paul. Sobre a arte moderna e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

KRAUSS, Rosalind. A escultura no campo ampliado. Revista Gávea, n 1, 1984.

LOPES, Fernanda. A experiência Rex: “Éramos o time do Rei”. São Paulo: Alameda, 2009.

MEMÓRIA EAV – Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Disponível em:
<http://www.eavparquelage.rj.gov.br/memoria/gestor/marcus-lontra/>.
<http://www.eavparquelage.rj.gov.br/memoria/exposicao/rio-de-cor-segmentos-de- muropartes-da-arte/>. Acesso em: 05 maio 2016.

MENEZES, Marco Antonio. O poeta Baudelaire e suas máscaras: boêmio, dândi, flâneur.
Revista fato&versões, v.1, n.1, p. 64-81, 2009.

PÉREZ TORRES, Natalia. O Lugar do graffiti no centro da Bogotá contemporânea. 2015. Dissertação (Mestrado em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SILVA, Armando. Punto de Vista Ciudadano: focalización visual y puesta en encena del graffiti. Bogotá: Publicaciones del Instituto Caro y Cuervo. 1987.

SYLVESTER, David. Entrevistas com Francis Bacon, a brutalidade dos fatos. São Paulo: Cosac Naify, 1995.

RECURSOS NECESSÁRIOS
Acesso à internet
Computador ou celular com câmera

Lista necessária:
• 02 Lápis 4B
• Borracha
• Canetas de nanquim – 0.4 / 0.7
• Pilot ou marcador com ponto maior do que 1.0
• Bloco de Papel para desenho
• Bloco de Papel com gramatura maior que 200g para uso de tinta
• Tinta guache cores: branco, preto, amarelo, verde bandeira, azul e vermelho

Lista complementar:
• Lápis como 2B, 6B e HB
• Esfuminho
• Canetas
• Tinta guache cores: laranja, ocre, verde folha, violeta, magenta e outras.

*Caso o aluno já possua experiência com tinta acrílica, conversar com o professor para saber se pode usar.

SECRETARIA
– Todos os cursos online emitem certificado.
– A matrícula online não oferece desconto.
– A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

BERNARDO MAGINA
Artista e eventualmente curador. Nasceu em 1989, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo PPGARTES/ UERJ. Foi assistente de atelier de Orlando Mollica e, posteriormente, lecionou junto ao mestre no curso de Desenho Contemporâneo na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Na mesma escola, foi aluno de Evany Cardoso, Gianguido Bonfanti, Suzana Queiroga, João Goldberg, Marcelo Campos e foi monitor nos workshops de cor de José Maria Dias da Cruz. Participa de exposições e pelo Studio Travellero realiza instalações, além das pinturas murais nas ruas.