Pintura além do quadro

Pintura além do quadro

Studio Travellero, Túnel. Acrílica sobre caixas de papelão, 2016.

Professor: Bernardo Magina

2º semestre 2019
13 de agosto a 11 de dezembro
Turma 1: Terça-feira, 10:00–13:00
Turma 2: Quarta-feira, 14:00–17:00
R$ 380,00/mês
 

Objetivos
O curso tem como objetivo levar o aluno a desenvolver um pensamento plástico com conceitos básicos de pintura e desenho (sobretudo com pincel) e capacitá-lo para criar em escala mural ou para intervir na rua e/ou arquiteturas com ou sem o uso da tinta. Visa ainda apresentar uma reflexão histórica da pintura desde as cavernas, passando por afrescos, pela invenção do quadro, muralismo mexicano, graffitti, street art e outras possibilidades contemporâneas.

Conteúdo
Percepção plástica e teorias. Exercícios práticos em que o corpo é ferramenta central para prática de pintura. Contextualização histórica da relação da pintura com a arquitetura em diferentes momentos e sociedades. A influência da invenção do quadro, do conceito de pintura no campo expandido e da arte de rua, em sua diversidade, na elaboração de novos trabalhos em escala mural.

Dinâmica
O curso intercala prática e teoria, com ênfase na primeira. Exercícios de desenho com pincel, treinando a relação entre os olhos e o corpo. Exercícios de descondicionamento de procedimentos. Teorias e prática da cor. Painéis coletivos em sala. Reflexões sobre a relação da pintura com o espaço arquitetônico, urbanístico e político, passando por diferentes períodos históricos com auxílio de projeções de imagens e vídeos. Realização de aulas e atividades na floresta do Parque e extra-muros, explorando as possibilidades nos espaços da cidade.

Referências
Arte Urbana: Rui Amaral conta a história do grafite no Brasil Disponível em: www.youtube.com
BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.
CANCLINI, García Nestor. Culturas Híbridas. São Paulo: Edusp, 2006.
CANTANHEDE, Rosane. Grafite/pichação: circuitos e territórios na arte de rua. Dissertação (Mestrado em Ciência da Arte) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, 2012.
CRUZ, José Maria Dias da. Da Cor ao Cinza. Rompimentos, revelações e passagens. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2001.
CRUZ, José Maria Dias da. Cromatismo Cezanneano. Florianópolis. Ed. Autor, 2010.
DA VINCI, L., (1993) Tratado de Pintura, 2º ed., Madrid, Ed., Akal, (trad. Angel González García).
DIEBERNKORN, Richard. “10 notes to myself on beginning a painting”. Disponível em: www.royalacademy.org.uk
DIVERSO- entrevista com Nuno Ramos. Disponível em: www.youtube.com
DORAN, MICHAEL (ed). Sobre Cézanne. Conversaciones y testimonios. Barcelona: Gustavo Gili, 1980.
GASTMAN, Roger et al. Street World: Urban Culture and Art from Five Continents. Barcelona: Océano, 2007.
FERREIRA, Gloria e COTRIM, Cecilia. Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
KRAUSS, Rosalind. A escultura no campo ampliado. Revista Gávea, n 1, 1984.
PÉREZ TORRES, Natalia. O LUGAR DO GRAFFITI NO CENTRO DA BOGOTÁ CONTEMPOR NEA
Dissertação ( Mestrado em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.
SILVA, ARMANDO. Punto de Vista Ciudadano. Focalización Visual y Puesta en encena del graffiti. Bogotá: Publicaciones del instituto Caro y Cuervo. 1987.
SYLVESTER, David. Entrevistas com Francis Bacon, a brutalidade dos fatos. São Paulo: Cosac Naify, 1995.
Webdoc Graffiti – episódio7.4 – Pós-Graffiti – Disponível em: www.webdocgraffiti.com.br

Bernardo Magina
Artista e eventualmente curador. Nasceu em 1989, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo PPGARTES/ UERJ. Foi assistente de atelier de Orlando Mollica e, posteriormente, lecionou junto ao mestre no curso de Desenho Contemporâneo na Escola de Artes Visuais do Parque Lage.
Na mesma escola, foi aluno de Evany Cardoso, Gianguido Bonfanti, Suzana Queiroga, João Goldberg, Marcelo Campos e foi monitor nos workshops de cor de José Maria Dias da Cruz.
Participa de exposições e pelo Studio Travellero realiza instalações, além das pinturas murais nas ruas.