EAV Parque Lage

PINTURA BRASILEIRA: LADO B

Professor: BERNARDO MAGINA E CLARISSA DINIZ

Cursos semestrais

03 de agosto a 23 de novembro. Quinzenalmente às terças, de 19h às 21h30
R$ 800,00 ou 4x de R$ 200,00

butao_matriculabutao_matriculabolsa

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
A matricula online não oferece desconto. A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

SOBRE
O curso aborda perspectivas não-hegemônicas em torno da pintura produzida no Brasil. A partir da análise de obras de artistas – aqui apelidados de “lado B” – que não figuram na historiografia canônica da assim chamada “arte brasileira”, propõe-se percorrer leituras alternativas a problemáticas estéticas, sociais, políticas e identitárias que compõem as suas narrativas.

CONTEÚDO
A partir de questões fundamentais (como cor, matéria, paisagem), serão criticamente aproximadas obras de artistas diversos cujas investigações têm, como centro, a pintura. A fricção entre práticas e perspectivas estética, social, política e identitariamente distintas intenciona expandir as leituras da “pintura brasileira”, dedicando-se a analisar artistas historicamente pertencentes ao “lado B” de seus discursos e narrativas hegemônicas.  Assim, as reflexões suscitadas no curso se darão, majoritariamente, em torno de obras que têm sido interpretadas como “secundárias” em comparação aos “cânones da arte brasileira”, estando por vezes circunscritas a categorias como “art naif” ou “arte popular”.
O curso será estruturado em blocos dedicados a questões fundamentais da pintura, a partir das quais serão discutidos artistas e obras tanto do cânone, quanto do lado B da arte produzida no Brasil. Ao término de cada bloco, um artista será convidado a discutir sua própria obra em diálogo com as reflexões elaboradas ao longo de cada etapa do curso.
As aulas terão formato teórico, apresentadas a partir de imagens, vídeos, textos, e em interação com os alunos.

CRONOGRAMA
Curso quinzenal a ser realizado nas seguintes datas:
3 de agosto; 17 de agosto; 31 de agosto; 14 de setembro; 28 de setembro; 26 de outubro; 9 de novembro; 23 de novembro

DINÂMICA
Aula expositiva em videoconferência

PÚBLICO
Indicado para pessoas interessadas em conhecer e/ou pesquisar o tema
Não exige conhecimentos prévios

 

REFERÊNCIAS
ANDRADE, Mário de. Aspectos das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1965.
AVOLESE, Claudia Mattos; MENESES, Patrícia D. (org). Arte não europeia: conexões historiográficas a partir do Brasil.
São Paulo: Estação Liberdade, Vasto, 2020.
BARCINSKI, Fabiana Werneck (org). Sobre a arte brasileira. São Paulo: edições Sesc, WMF Martins Fontes, 2014.
BARDI, P. M. O modernismo no Brasil. São Paulo: Banco Sudameris Brasil, 1982.
Bienal Naifs do Brasil (catálogos de edições diversas). Sesc São Paulo e Sesc Piracicaba.
CARTAXO, Zalinda Elisa Carneiro. Estrutura. PORTO ARTE: Revista de Artes Visuais, Porto Alegre, RS, v. 23, n. 39, ago. 2018. ISSN 2179-8001. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/PortoArte/article/view/77807>. Acesso em: 22 nov. 2020. doi:https://doi.org/10.22456/2179-8001.77807.
CRUZ, José Maria Dias da. Da Cor ao Cinza. Rompimentos, revelações e passagens. Rio de Janeiro: Taba Cultural, 2001.
CRUZ, José Maria Dias da. Cromatismo Cezanneano. Florianópolis. Ed. Autor, 2010.
DA VINCI, L., (1993) Tratado de Pintura, 2º ed., Madrid, Ed., Akal, (trad. Angel González García).
DINIZ, Clarissa; HEITOR, Gleyce Kelly (org). Gilberto Freyre. Coleção Pensamento Crítico. Rio de Janeiro: Funarte, 2010.
DINIZ, Clarissa; HERKENHOFF, Paulo. Zona tórrida – certa pintura do Nordeste. Recife: Santander Cultural, 2012.
DINIZ, Clarissa. Pernambuco Experimental. Rio de Janeiro: Instituto Odeon, 2014.
DORAN, MICHAEL (ed). Sobre Cézanne. Conversaciones y testimonios. Barcelona: Gustavo Gili, 1980.
FERREIRA, Gloria e COTRIM, Cecilia. Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Belo Horizonte: C/Arte, 2009.
HERKENHOFF, Paulo (org). Pororoca: a Amazônia no MAR. Rio de Janeiro: Circuito, 2014.
HERKENHOFF, Paulo. Laços do olhar: roteiros entre o Brasil e o Japão. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2009.
HERKENHOFF, Paulo. Pincelada: pintura e método. Projeções da década de 50. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2006.
LEITE, José Roberto Teixeira. Pintores negros do Oitocentos. Ed. Emanoel Araújo. São Paulo: MWM motores diesel ltda, 1988.
MANESCHY, Orlando (org). Amazônia, lugar de experiência. Belém: Ed. UFPA, 2013.
OURIQUES, Evandro Vieira. As artes Visuais na Amazônia: reflexões sobre uma visualidade regional. Rio de Janeiro: Funarte, 1985.
PEDROSA, Adriano; TOLEDO, Tomás (org). A mão do povo brasileiro, 1969/2016. São Paulo: MASP, 2016.
RISÉRIO, Antônio. Avant-garde na Bahia. São Paulo: Instituto Lina Bo e P.M. Bardi, 1995.
SYLVESTER, David. Entrevistas com Francis Bacon, a brutalidade dos fatos. São Paulo: Cosac Naify, 1995.
TIRAPELI, Percival (org). Arte Sacra Colonial: barroco memória viva. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, Editora UNESP, 2001.
ZANINI, Walter (org). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

RECURSOS NECESSÁRIOS
Acesso à internet
Computador ou celular com câmera

SECRETARIA
Todos os cursos online e presenciais emitem certificados; A política de bolsas só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

BERNARDO MAGINA
Artista e eventualmente curador. Nasceu em 1989, no Rio de Janeiro, onde vive. Mestre em Arte e Cultura Contemporânea pelo PPGARTES/ UERJ e graduado em Comunicação Social – Publicidade pela ECO/UFRJ. É professor dos cursos Pintura Além do Quadro, Cor e Forma, Dinâmica das Cores e Pintura Brasileira: lado B (este último em dupla com Clarissa Diniz) na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Foi assistente de ateliê de Orlando Mollica e, posteriormente, lecionou junto ao mestre no curso de Desenho Contemporâneo na mesma escola onde foi aluno de Evany Cardoso, Gianguido Bonfanti, Suzana Queiroga, João Goldberg, Marcelo Campos e foi monitor nos workshops de cor de José Maria Dias da Cruz. Trabalha com Desenho e Pintura e com suas possibilidades no campo expandido. Fundador e sócio do Studio Travellero onde se dedica a pinturas murais nas ruas e outros diálogos entre as cores e a arquitetura desde 2015.

CLARISSA DINIZ
Curadora, escritora e professora em arte. Mestre em história da arte pela UERJ e doutoranda em antropologia pela UFRJ, foi editora da revista Tatuí (revistatatui.com.br). Além de alguns livros publicados, tem textos incluídos revistas e coletâneas sobre arte e crítica de arte, a exemplo de Criação e Crítica – Seminários Internacionais Museu da Vale (2009); Artes Visuais – coleção ensaios brasileiros contemporâneos (Funarte, 2017); Arte, censura, liberdade (Cobogó, 2018); Amérique Latine: arts et combats (Artpress, março 2020). Desenvolve curadorias desde 2008 e, entre 2013 e 2018, atuou no Museu de Arte do Rio – MAR, onde realizou projetos como Pernambuco Experimental (2014), Dja Guata Porã – Rio de Janeiro Indígena (cocuradoria Sandra Benites, Pablo Lafuente e José Ribamar Bessa, 2017) e O Rio do Samba: resistência e reinvenção (cocuradoria Evandro Salles, Marcelo Campos e Nei Lopes, 2018) Em 2019, organizou a mostra À Nordeste (cocuradoria Bitu Cassundé e Marcelo Campos. Sesc 24 de Maio, São Paulo) e integrou o Curso de Formação e Deformação da EAV, processo anticoncluído com a exposição Estopim e Segredo.