Programa de formação Gratuito 2018

APRESENTAÇÃO
ORGANIZAÇÃO E PERIODICIDADE
ARTISTAS-PROFESSORES
CRONOGRAMA
BOLSISTAS SELECIONADOS
organização e periodicidade

Qualquer direção para fora do centro é formado por duas camadas: nove seminários temáticos nos quais os artistas-bolsistas serão orientados em caráter imersivo, e o seminário de acompanhamento.

O programa está organizado em eixos intensivos a fim de provocar uma imersão no universo de cada matéria. Divididos ao longo de um ano letivo, em torno de temas que, apontam para diferentes matrizes e genealogias do conhecimento, na tentativa de propor torsões, desterritorialização, faíscas, implosões e explosões. A esfera cultural não é compreendida como um campo autônomo das complicadas relações entre o sistema das artes, o mercado, o neoliberalismo, a lógica colonial e a produtividade.

Com viés crítico e posicionado, os artistas-professores foram convidados a pensarem seminários de caráter crítico, que questionam os agentes culturais e sua pertinência frente à lógica neoliberal e ao caráter produtivista do capitalismo cognitivo. Seus campos temáticos são pensados menos como categorias estanques, mas como espaços de experimentação poética comunicantes.

Entende-se o conhecimento como oportunidade para tensionar posições consolidadas e tomadas como absolutas. O programa foi desenhado como um fórum de educação interdisciplinar endereçado a complexificar as práticas artísticas, de maneira mais crítica e menos autocentrada.

estrutura semanal

Os artistas-bolsistas terão o seguinte ritmo:

6h seminários teóricos em arte e cultura. As aulas acontecem às terças e quintas pela manhã (de 10h às 13h);
3h seminários de acompanhamento. Acompanhamento quintas feiras das 19h às 22h;
3h de um curso livre na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. O artista-bolsista tem gratuidade para envolver-se em um dos cursos livres oferecidos pela EAV.

formação e deformação

É preciso rearticular escolas – escolas de arte ou escolas para artistas – como espaços que se configuram por meio da normatização dos corpos e das subjetividades, onde se inventam e se reproduzem noções de gênero, de sexo e de raça. Qualquer direção fora do centro é um convite para a imaginação coletiva de um projeto que surge livremente inspirado em modelos radicais e questionadores, pensados com e para artistas, que coloca em xeque conceitos absolutos e verdades incontestáveis, afirmando o papel singular que o pensamento artístico assume na sociedade. Importa criar novos fluxos e dinâmicas de ensino e aprendizagem, por meio de hierarquias flutuantes e permeáveis, em torno de um projeto compartilhado. Junto aos artistas, buscaremos espaços de tensão e contradição onde cabem metodologias mestiças e saberes subalternos.

Nos nove meses de programa, buscaremos a construção de uma comunidade expandida que goza de momentos de interdependência e intimidade, a partir de uma contínua fricção crítica entre os membros do programa. O Programa de Formação Gratuita 2018 – Qualquer direção fora do centro mescla:

– espaços e momentos de formação, a partir do estudo de eixos temáticos e leituras conjuntas, no palacete e na floresta;
– espaços de acompanhamento de artistas, em que o vocabulário de referências é posto em fricção, questionando as ideias de criação, invenção, autoria e produção;
– espaços de intervenção dos artistas-professores e artistas-bolsistas no cotidiano da escola, pensando a escola livre como um laboratório para pedagogias radicais e interlocução entre os agentes do sistema das artes.

Não se trata de focar em uma finalidade específica, como a formação ou o ensino, mas sim na movimentação constante, no levantamento de mais perguntas, no entroncamento de relações onde teoria e prática estão no mesmo sentido.