EAV Parque Lage

Reflexões sobre temas da Arte Contemporânea

Reflexões sobre temas da Arte Contemporânea

Peter Doig – Red boat imaginary Boys, 2004

Professor: Luiz Ernesto

Curta duração 2020.2
06 de outubro a 27 de outubro
Terças, de 19h às 21h
R$ 330,00/mês

butao_venda

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
A matricula online não oferece desconto. A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

TEMPO, MATERIAIS ALEGÓRICOS, DESLOCAMENTO, ARTE E PALAVRA

SOBRE
A produção de arte contemporânea tem, nos últimos anos, se caracterizado por uma imensa variedade de técnicas, estratégias, procedimentos e discursos. Numa época em que a fruição visual não pode ser mais a única questão a ser considerada, produzir um trabalho hoje, significa repensar a própria idéia de arte, seus suportes, suas convenções e seus limites. As categorias tradicionais (pintura, desenho, gravura, etc.) baseadas em técnicas artesanais, definidas claramente no passado, hoje misturam-se, e são acrescidas de novos recursos tecnológicos. Analisar a arte unicamente a partir de sua dimensão técnica parece não mais responder à enorme diversidade de questões e desafios com os quais o artista se depara atualmente. Pensar a arte hoje, passa a ser refletir sobre suas tangentes e contaminações com outros campos de conhecimento, com o mundo e com a vida. O trabalho do artista, mesmo que utilizando-se daqueles meios tradicionais, passa a situar-se como um “conjunto de operações num campo de práticas significantes”.

CONTEÚDO
Reflexões teóricas sobre tema apresentado na aula.

DINÂMICA
Aula expositiva por videoconferência.

PÚBLICO
Indicado para pessoas interessadas em conhecer e/ou pesquisar o tema.

REFERÊNCIAS

ALBERS, Josef. Interaction of Color. Yale University Press, 1975.

ARGAN, Giulio Carlo. El Arte Moderno . Fernando Torres Editor, Valencia, 1975.

AUMONT, Jaques. A Imagem. Papirus Editora,1995.

BELL, Julian. What is Painting?. Thames and Hudson, 1999.

CROLL,Thomas. Modern Art In The Common Culture. Yale University Press,1996.

DANTO, Arthur C. Danto. After the End of Art. Princeton University Press, 1997.

FERREIRA, Glória & COTRIM, Cecilia (org.). Clement Greenberg e o Debate Crítico. Jorge Zahar Editor,1997.

FOSTER, Hal (org.). The Anti-Aesthetic. Essays on Postmodern Culture. Bay Press, 1983.

GOMBRICH, E.H. Arte e Ilusão. Martins Fontes, 1986.

HALL, Marcia. Color and Meaning, Practice and Theory in Renaissance Painting. Cambridge University Press, 1992.

HARRISON, Charles & WOOD, Paul (org.). Art Theory, 1900-1990. Blackwell Publishers, 1993.

JAY, Martin. Downcast Eyes. University of California Press, 1994.

KRAUSS, Rosalind E. The Originality Of The Avant-Garde and Other Modernist Myths. The MIT Press,1986.

MELVILLE, Stephen & READINGS, Bill (org.). Vision and Textuality. Duke University Press,1995.

MIRZOEFF, Nicholas (org.). The Visual Culture Reader. Routledge, 1999.

MITCHELL, W. J. T. Picture Theory. The University Of Chicago Press, 1994.

SANTAELLA, Lucia & NÖTH, Winfried. Imagem. Cognição, Semiótica, Mídia. Editora Iluminura 1999.

MORGAN, Robert C. Art Into Ideas. Essays on Conceptual Art. Cambridge University Press, 1996.

WALLIS, Brian. Art After Modernism: Rethinking Representation. The New Museum Of Contemporary Art, 1984.

RECURSOS NECESSÁRIOS
Acesso à internet
Computador ou celular com câmera

SECRETARIA
– Todos os cursos online emitem certificado.
– A matrícula online não oferece desconto.
– A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

LUIZ ERNESTO
Nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, em 1955.
Artista plástico e professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Ex-aluno desta escola, foi seu diretor de 1998 a 2002. Em 1992, contemplado com uma bolsa de estudos pelo Conselho Britânico, passou um ano na Escócia, no Glasgow Print Studio. Desde 1979, tem participado de exposições individuais e coletivas. Seu trabalho desenvolve-se em diversos meios, como desenho, pintura, objetos e fotografia e tem como ponto de partida os objetos banais do cotidiano. Desde 2001, Luiz Ernesto vem desenvolvendo um trabalho em fibra de vidro, resina epóxi e fotografia.