EAV Parque Lage

RELAÇÕES ENTRE ESCULTURA-OBJETO-CORPO

Professor: PAULO COUTO

Curta duração
03 de agosto a 23 de setembro.
Terças e quintas, de 19h às 22h
R$ 700,00 ou 2x de R$ 350,00

butao_matriculabutao_matriculabolsa

*Leia atentamente todas as normas de matrícula antes de se inscrever. Clique aqui.
A matricula online não oferece desconto. A política de descontos só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

 

SOBRE 

Desde o espanto diante das criações egípcias e gregas, passando pela potência das criaturas e símbolos das culturas ancestrais, até o hermetismo das coisas contemporâneas, as relações e entendimentos sobre a escultura, os objetos tridimensionais e os corpos no espaço acumularam experiências e reflexões densas. O que se achava que era pra ser olhado, na verdade nos olha. O que se achava que era inerte, na verdade interfere nos nossos deslocamentos. O que se achava que era corpo, na verdade é elemento plástico.

CONTEÚDO

Tradicionalmente, a escultura se faz e se reconhece por meio de elementos definidos, como o material, a superfície, os limites, a textura, a escala, o centro de gravidade, o volume, e outros. Rosalind Krauss marca que com as transformações trazidas pelos modos contemporâneos de criação, as definições sobre a escultura se alargaram tanto a ponto de se tornar algo indefinível. O termo objeto 3d passou a ser essa tentativa de organizar minimamente os debates em torno das formas no espaço. Mais recentemente foram resgatadas noções, que se localizam na concepção originária de objetos de arte, de períodos e culturas aparentemente dissociados, que revelam a necessidade do enredamento entre a obra e o corpo, no arranjo da experiência.

 

DINÂMICA

Aula expositiva em videoconferência
Compartilhamento de referências semanais com debates coletivos em aula
Acompanhamentos individuais com debates coletivos em aula

PÚBLICO

Indicado para pessoas interessadas em conhecer e/ou pesquisar o tema
Indicado para pessoas interessadas em formação em História da Arte e/ou aprofundamento.
Indicado para pessoas interessadas em introdução à pesquisa em história e crítica de arte e/ou aprofundamento.
Indicado para artistas em formação em História da Arte e/ou aprofundamento.
Não exige conhecimentos prévios

RECURSOS NECESSÁRIOS

Acesso à internet
Computador ou celular com câmera

SECRETARIA 

– Todos os cursos online e presenciais emitem certificados.

– A política de bolsas só é oferecida na matrícula com pagamento via boleto bancário.

REFERÊNCIAS

AMARAL, Aracy. Projeto construtivo brasileiro na arte. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1977.
ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo, Companhia das Letras: 1988.
BELTING, Hans. O fim da história da arte – uma revisão dez anos depois. Rio de Janeiro, Cosac & Naify: 2006.
_____________. Por uma antropologia da imagem. Rio de Janeiro, Revista Concinnitas: 2005.
COTRIM, Cecilia; FERREIRA, Glória (orgs.). Escritos de artistas – anos 60/70. Rio de Janeiro, Zahar: 2006.
DANTO, Arthur. A transfiguração do lugar comum – uma filosofia da arte. Rio de Janeiro, Cosac & Naify: 2005.
_____________. Após o fim da arte – a arte contemporânea e os limites da história. São Paulo, Edusp: 2010.
_____________. O abuso da beleza. São Paulo, Marins Fontes: 2015.
DIDI – HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2015.
_____________. Diante da imagem. São Paulo, Editora 34: 2013.
_____________. O que vemos, o que nos olha. São Paulo, Editora 34: 2010.
FERREIRA, Glória. Crítica de Arte no Brasil – Temáticas Contemporâneas. Rio de Janeiro: Funarte, 2006.
FOSTER, Hal. O retorno do real. São Paulo, Ubu, 2017.
FREIRE, Cristina. Arte conceitual. Rio de Janeiro, Zahar: 2006.
GEORGE, Herbert. The elements of sculpture. Londres, Phaidon: 2014.
GELL, Alfred. A rede de Vogel: armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilha. Rio de Janeiro, Revista do PPGAV EBA: 2001.
_____________. Arte e agência. São Paulo, Ubu: 2018.
KRAUSS, Rosalind. A escultura no campo ampliado. Rio de Janeiro, Arte & Ensaios, EBA – UFRJ: 2018.
NAVES, Rodrigo. A forma difícil – ensaios sobre arte brasileira. São Paulo, Companhia das Letras: 2011.
READ, Herbert. Escultura moderna – uma história concisa. São Paulo, Martins Fontes: 2003.
ROELS JR, Reynaldo. Escultura Objeto 3D. Rio de Janeiro, Barléu: 2019.
WOLFLIN, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte. São Paulo, Martins Fontes: 2015.
______________. Renascença e Barroco. São Paulo, Perspectiva, 2019.

PAULO COUTO
Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ, no qual desenvolveu a tese “Waldemar Cordeiro e o Concretismo”. Pesquisador das áreas de arte, cultura e comunicação. Foi aluno da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Escreve críticas e ensaios sobre arte na Revista O Fermento.