Stencil em Base Fotográfica – da gravura à arte pública

Stencil em Base Fotográfica – da gravura à arte pública

Turma de alunos, Pedro Ivo, Julio Castro e Ana Clara Lemos. Painel de conclusão da turma Stencil em base fotográfica 2018.

Professores:
Julio Castro, Ana Clara Lemos e Pedro Ivo Mira

Férias de Verão 2020
13 de janeiro a 05 de fevereiro
Segunda e quarta-feira, 19:00–22:00
R$ 450,00 + R$ 30,00 de taxa de material

A produção de imagens em stencil (molde vazado) tem se evidenciado na última década no âmbito da arte urbana no Brasil e vem se aprimorando com o uso da imagem fotográfica, acentuada pelo uso das novas tecnologias de manipulação de imagem e tem se mostrado carregado de um forte cunho crítico e ao mesmo tempo poético na relação com a cidade e seus habitantes.

O curso propõe uma imersão na linguagem do stencil e pretende mostrar a versatilidade dessa prática no que diz respeito a possibilidades de desdobramentos: arte urbana, impressão em papel, tecido, criação de lambe-lambe, entre outros. Serão apresentados todos os processos de criação, desde a produção fotográfica, passando pela edição da imagem, corte das matrizes, impressão e as circunstâncias de produção/impressão dos trabalhos no ambiente da cidade.

Conteúdo
– Introdução teórica, suas origens e seu desenvolvimento ao longo do processo histórico: das pinturas rupestres até os movimentos urbanos, manifestações políticas e a cultura hip hop.
– Suporte fotográfico para a produção das imagens.
– Procedimentos de edição das imagens no programa Photoshop para a obtenção dos moldes vazados que formarão as matrizes.
– Impressão e corte das matrizes e impressão/pintura das imagens.
– Stencil em pequenos formatos: imagens em A4 e A3; diálogo com a gravura.
– Stencil em grandes formatos – trabalho em grupo: arte urbana.

Dinâmica
– Síntese da prática na produção da imagem, desde o processo fotográfico até a edição digital, corte e impressão;
– Aula expositiva com discussão de conteúdos e demonstração de materiais e imagens;
– Proposta de um trabalho coletivo em grande escala e projetado para o ambiente da cidade;
– Incursões pela cidade, exposições e ateliês de artistas.

Referências
BANKSY. Guerra e spray / Banksy. Traduzido por Rogério Durst. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012.
HUNTER, Garry. Arte de rua ao redor do mundo. Traduzido por Renata Brabo. São Paulo: Madras, 2013.
MÔNICA NADOR. Folder RioLoco – Ano do Brasil na França, 2005.
BORGES, Jorge Luis. O Livro dos Seres Imaginários. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2007.

Cidade Cinza. Direção de Marcelo Mesquita, Guilherme Valiengo, 2012.

Graffiti Wars. Direção de Jane Preston, 2011.

Pixo. Direção de João Wainer e Roberto T. Oliveira, 2009.

Júlio Castro. Formado em gravura pela UFRJ com passagem pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage e UFRGS em Porto Alegre, dedica-se à produção artística desde os anos noventa. Participou das mostras coletivas A Paixão do Olhar MAM/RJ; Republicar Museu da República-RJ (1993); da XV ESTAMPA – Salão Internacional de Gravura e Edições de Arte Contemporânea em Madrid (2007); Plaisir d’Offrir#2 – Galeria Dagmar De Pooter / Antuérpia, Bélgica (2009); RioXCórdoba, Museu Emílio Caraffa, Argentina (2011), entre outras. Individualmente expôs no Rio de Janeiro, Pelotas, Porto Alegre, em Lisboa no Centro Português de Serigrafia (2007) e em Bruxelas no ARS117 (2009), espaços em que também fez residência artística como artista convidado. Foi membro do Conselho Curador do Espaço Cultural de FURNAS, RJ (2007), idealizador e coordenador do projeto Arte de Portas Abertas (1997/2007), do Prêmio Interferências Urbanas (2000/2002) e Jovens Aprendizes (2001/2002). Coordena o Estúdio Dezenove, espaço dedicado à arte contemporânea localizado em Santa Teresa no Rio de Janeiro e onde atualmente conduz o Núcleo Magliani – Centro de referência da obra pintora gaúcha Maria Lídia Magliani (Pelotas,1946- Rio de Janeiro, 2012) e o projeto Vitrine Efêmera (1998/2019), que convida artistas para intervenções site specific na vitrine do Estúdio Dezenove.

Ana Clara Lemos estuda Gravura na Faculdade de Belas Artes UFRJ. É atualmente, professora da oficina Stencil em base fotográfica – Da gravura a arte pública na Escola Artes Visuais EAV Parque Lage junto do artista Julio Castro. Estuda pintura no Atelier de Pintura Realista com o mestre Renato Ferrari, onde também é assistente. Em 2017 cursou um período de intercâmbio na Universidade Beira Interior em Covilhã Portugal pelo programa de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal Fluminense quando ainda cursava Arquitetura e Urbanismo. Em 2018 realiza o painel Olímpia em Santa Teresa, como conclusão das aulas deste ano do curso Stencil em base fotográfica, no qual atuava como monitora. Em 2019 realiza a intervenção “Memória Herzog” no Projeto Vitrine Efêmera do Estúdio Dezenove, junto com o artista Pedro Ivo executa o painel em stencil “Tempos de Violência” na fachada da Cine Galeria, Largo do Guimarães, Santa Teresa. Mais recentemente concluiu um painel “O Voo de Lady Lene” com a turma de 2019 de Stencil em base fotográfica na Rua do Oriente, Santa Teresa. Participou da exposição Orientações Pintura e Gravura Contemporânea da Escola de Belas Artes no Centro Cultural dos Correios com litogravuras e xilogravuras.

Pedro Ivo Mira é especializado na técnica do stencil que utiliza como principal forma de expressão. Nas ruas, em pinturas murais, realizando oficinas e atuando em trabalhos coletivos ou confeccionando produtos como pôsteres e camisetas. Formou junto com Daniela Nigro o Tren colectivo em abril de 2016 em La Plata e a dupla realizou viagens por algumas cidades naquele país. Em 2017 passa a trabalhar em colaboração no Estúdio Dezenove ao promover oficinas de stencil em base fotográfica. Em 2018 ministra junto ao Julio Castro a aula de “Stencil em base fotográfica: Dá gravura à arte pública na Escola de Artes Visuais do Parque Lage EAV. Em 2019, para o Circuito Oriente de Santa Teresa, realiza o painel “Tempos de Violência Menos armas Mais livros” em conjunto com Ana Clara Lemos em stencil na fachada do Cine Santa.