EAV Parque Lage

Videoinstalação na EAV

Videoinstalação na EAV

SEMA. Onipresente, 2018.

Professor: Analu Cunha

Férias de Verão 2020
13 a 16 de janeiro
Segunda à quinta-feira, 19:00 – 21:00
R$ 380,00
 

butao_venda

Curso intensivo para orientar os participantes a criar videoinstalações em espaços previamente agendados da EAV que serão disponibilizadas para montagem e exibição dos trabalhos ao final do curso. A instalação e os equipamentos utilizados são de responsabilidade do participante. Direcionado a participantes que queiram desenvolver videoinstalações.

Conteúdo
Após a leitura de textos seminais e da visualização de videoinstalações, o participante será estimulado a desenvolver sua proposta, que será montada e exibida no final do curso. O programa, prático, parte da reflexão sobre a espacialização da imagem em movimento na arte contemporânea.

Dinâmica
Visualização de videoinstalações criadas por artistas contemporâneos; análise e adequações dos projetos dos participantes ao espaços da EAV.

Referências
DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naif, 2004.
GONÇALVES, Osmar (org.) Narrativas Sensoriais. Rio de Janeiro: Circuito, 2014.
KRAUSS, Rosalind, Vídeo: a estética do narcisismo. Arte & Ensaios n. 16, PPGAV-EBA/UFRJ, Rio de Janeiro, jul. 2008.
MACHADO, Arlindo. A Arte do Vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988
MACIEL, Katia (org.). Transcinemas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2009.
PARENTE, André. Cinema em trânsito – Cinema, arte contemporânea e novas mídias. Rio de Janeiro: Azougue, 2012.

Analu Cunha. Artista, trabalha com pesquisa, arte-educação e curadoria. Doutora em Linguagens Visuais (EBA/UFRJ), com estágio de doutorado na Université Sorbonne Paris 1 e pós-doutorado PNPD/Capes na EBA/PPGAV/UFRJ (2014-2015). É professora do Instituto de Artes da UERJ, de Videoarte na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e atual coordenadora de exposições das galerias da UERJ. Em 2014 lançou o livro Analu Cunha com textos de Tania Rivera, Wilton Montenegro e Elisa de Magalhães, entrevista realizada com Gloria Ferreira e imagens de seus trabalhos. Juntamente com alguns artistas de sua geração, participou do grupo VISORAMA, que promoveu debates interdisciplinares acerca de arte contemporânea na década de 1990. Desde 2004 trabalha com videoarte, pesquisando as interfaces entre som e imagem, com ênfase nas relações rítmicas entre o que se vê e o que se ouve.