menufechar

Contato

Siga a EAV

newsletter

Cadastre-se
Por que as escolas existem?
O parquinho lage é um núcleo pedagógico que acontece com e para crianças. Investiga o que uma escola de arte tem a aprender com elas: como ser uma escola livre e quais os caminhos para desenvolver uma justa reciprocidade envolvendo alunos, famílias, professores, todos aprendizes. Lugar de escuta, de descoberta, de olhar, tocar, sentir e experimentar, que não impõe valores nem conhecimentos desconectados de nossas vivências. Suspeita de discursos hegemônicos — da história, da arte, da cultura, de nossos corpos —, afirmando uma aprendizagem a partir do local onde estamos, uma escola de arte em meio à floresta.
Não queremos formar crianças, pois não pretendemos formatar caminhos a partir de modelos pré-concebidos. Queremos revisitar conceitos da educação infantil para pensar novas linhas de aprendizado e desaprendizado Conheça nosso manifesto, visão e valores

cursos do parquinho lage

Veja todos os cursos

Arte
em família

Aos sábados

O Arte em Família recebe gratuitamente grupos de crianças e suas famílias todos os sábados pela manhã. Convida crianças a partir de 4 anos, jovens e membros da família para participarem de oficinas variadas, despertando novas formas de diálogo a partir de uma atividade em comum. A cada fim de semana, realizamos uma atividade pública destinada a um grupo de até quinze participantes. Além das salas do palacete e ateliês de gravura, grande parte dessas oficinas ocupam os espaços da floresta do Parque Lage.

Descolônia

de férias

Durante os meses de janeiro e julho, a programação do parquinho lage é destinada aos cursos de férias. Nesse período, propõem-se experiências artísticas na escola de arte, no tradicional palacete, expandindo a escola para a floresta. Realizamos atividades lúdicas em torno de práticas artísticas contemporâneas e de matrizes tradicionais de conhecimento, investigando com as crianças vivências que experimentam cultura e natureza de maneira integrada.

Jornadas

de outurbro

Outubro é a data que a Escola de Artes Visuais do Parque Lage elegeu para “repensar o mundo sob a perspectiva daqueles que carregam o arrojo das mudanças”1. Enquanto o Dia das Crianças no Brasil é festejado no dia 12 de outubro, as Jornadas de Outubro estendem a comemoração ao mês inteiro com uma programação pública dedicada a crianças de todas as idades. Realizamos encontros educativos e ativações de artistas convidados, tendo início no dia 27 de setembro, festejando o Dia de Cosme e Damião, seguindo a programação até o final de outubro.
O texto completo é esse: "1 LAGNADO, Lisette. Apresentação das Jornadas de Outubro. Rio de Janeiro, 2016.
Disponível em: http://eavparquelage.rj.gov.br/site-antigo/jornadas-de-outubro-2016. Acesso em: 16/11/2019."

Palatnik inspirou a marca do parquinho lage

A marca do Parquinho Lage foi inspirada na obra cinética de Abraham Palatnik. A Escola de Artes Visuais do Parque Lage toma a alegria, a engenhosidade e os movimentos da arte de Palatnik como metáfora para o Parquinho Lage, sua escola de arte para crianças, com seus movimentos de aprendizagem mútua e livre que são a essência da EAV.
Objeto Cinético P4 – Abraham Palatnik

Abraham Palatnik nasceu em Natal (RN) em 1928, recebeu sua educação formal em Tel Aviv, onde estudou na Escola Técnica Montefiori, especializando-se em motores de explosão, e iniciou seus estudos de arte no ateliê do pintor Haaron Avni (1906-1951) e do escultor Moshe Sternschuss (1903–1992).

O artista mudou-se para o Rio de Janeiro em 1947, quando passou a visitar o Hospital Psiquiátrico Dom Pedro II, coordenado pela dra. Nise da Silveira, e apreciar a obra excepcional de pacientes esquizofrênicos sem treinamento artístico prévio. Palatnik, então, abandonou a pintura e a figuração e passou a estudar a luz e o movimento. Em 1954, integrou o Grupo Frente com Ivan Serpa, Mário Pedrosa, Franz Weissmann e Lygia Clark, entre outros.

Em 1951, Palatnik teve sua obra motorizada Objeto Cinecromático: Azul e Roxo em Primeiro Movimento inicialmente recusada pela 1ª Bienal de São Paulo, por não se encaixar em nenhuma das categorias existentes na época. A obra foi depois aceita e recebeu menção honrosa do júri internacional da Bienal. Além de objetos cinéticos, ele desenvolveu também móbiles, desenhos e composições em madeira e papelão. Participou depois de outras sete edições da Bienal de São Paulo e de uma Bienal de Veneza (1964).

Na visão de Palatnik, a função do artista é disciplinar a percepção do caos.

O desenvolvimento da marca do Parquinho Lage foi confiado à dupla Fred Gelli e Marina Ribas, que se inspirou na obra Objeto Cinético P4, de Abraham Palatnik. A marca possui variações cromáticas dentro da paleta de cores da obra de Palatnik e ganhará em breve versões animadas, apropriando-se do movimento da arte cinética. Fred Gelli é um dos fundadores da Tátil Design de Ideias e da aceleradora de negócios Pipa. Foi um dos criadores da marca das Olimpíadas de 2016. É também professor na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Marina Ribas é artista plástica e designer, além de aluna da EAV Parque Lage.
A marca foi apresentada a Palatnik pelos autores e pela equipe do Parque Lage em visita ao ateliê do artista, no bairro da Urca, no Rio de Janeiro.


Fique por
Dentro
Receba as novidades da
EAV Parque Lage por email.

{"system_error":{"type":2,"message":"Undefined array key \"area\"","file":"\/home\/application\/public\/project\/inc\/frontend\/part\/footer.php","line":4},"type_of":{"ajax_console":false,"jsonp":false}}